Após afastamento determinado pelo STF, petistas pregam nulidade dos atos de Cunha

Brasília - Em nota divulgada na tarde desta sexta-feira, 6, a bancada do PT comemorou o afastamento de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) da presidência da Câmara dos Deputados, mas lembrou que seu destino final depende ainda do andamento do processo por quebra de decoro parlamentar no Conselho de Ética. Os petistas voltaram a repetir que o afastamento pelo Supremo Tribunal Federal (STF) se deu pelo constrangimento de parlamentares e que, portanto, os atos praticados por Cunha - entre eles a abertura do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff - são passíveis de nulidade.

A nota assinada pelo líder Afonso Florence (BA) diz que Cunha usou a influência do cargo para intimidar parlamentares e dificultar e retardar investigações contra ele. "Diante disso, evidencia-se a nulidade dos atos praticados pelo ex-presidente da Câmara: está agora reconhecido pelo STF que a própria denúncia do PSDB foi recebida como retaliação à decisão da Bancada do PT na Câmara dos Deputados, que votou pela admissibilidade da Representação contra ele no Conselho de Ética, e também como meio de desviar a atenção da opinião pública sobre os crimes por ele cometidos", aponta o texto.

Desde a votação do pedido de impeachment de Dilma na Câmara, os deputados do PT reforçaram os discursos em plenário contra o peemedebista. O PT se aliou ao PCdoB, PSOL e Rede para atacar Cunha durante as votações, que por sua vez, ignorava as declarações no microfone.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos