Decisão de Teori é encarada como 'ducha de água fria' pelo governo

Brasília - A decisão do ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF), de não acolher o mandado de segurança impetrado pelo advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo, para que fosse suspensa a validade da autorização concedida pela Câmara dos Deputados à abertura de processo de impeachment por crime de responsabilidade contra a presidente Dilma Rousseff, foi "uma ducha de água fria" no governo. Ministros e assessores presidenciais ainda acreditavam que a votação pudesse ser suspensa, mas, quando veio a notícia, "foi uma decepção total", observou um interlocutor de Dilma.

A presidente soube da notícia no Palácio da Alvorada, onde se encontra e deverá passar o restante do dia. Dilma conversou com o ministro Cardozo, que, no fim da tarde, estará no plenário do Senado para fazer a defesa da presidente.

Mandato

O ministro da Educação, Aluizio Mercadante, afirmou nesta quarta-feira, que o governo Dilma Rousseff vai lutar até o fim para dar continuidade ao mandato. "Vamos aguardar a votação desta quarta-feira. Dependendo do resultado, teremos um afastamento temporário. A presidente continua sendo Dilma Rousseff pela Constituição Federal e pela votação. O afastamento é para apurar um crime que não ocorreu, não tem base jurídica. É evidente que vamos lutar até o fim para dar continuidade a um mandato que foi legitimamente construído por 54 milhões de votos. Quem perde a eleição e tenta recuperar por atalho faz um golpe", afirmou.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos