Líder do DEM diz que manterá representação contra Maranhão caso ele não renuncie

Brasília - O líder do DEM na Câmara, Pauderney Avelino (AM), declarou nesta quarta-feira, 11, que manterá a representação por quebra de decoro parlamentar contra o presidente interino da Casa, Waldir Maranhão (PP-AM), "de um jeito ou de outro". O documento, protocolado na última segunda, 9, é de autoria do DEM e do PSD. Caso Maranhão não renuncie ao cargo até amanhã ao meio dia, Pauderney disse que irá ao Conselho de Ética com um funcionário apresentar a documentação, que está em tramitação na Mesa Diretora.

Mesmo com a sinalização de que os membros da Mesa e aliados do vice-presidente Michel Temer estariam reconsiderando a permanência de Maranhão no cargo, por avaliarem que uma "saída forçada será difícil", Pauderney considera que ele "não possui condições" de permanecer na presidência interina da Câmara e que a sua decisão de anular o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff foi "inaceitável". Caso houvesse um acordo entre os partidos e Maranhão, eles teriam até as 19 horas desta quinta, 12, para desistir da ação.

Mais cedo, Maranhão disse ao primeiro-secretário da Casa, Beto Mansur (PRB-SP), não estar preocupado com um processo no Conselho, que considera "uma besteira". Ele está desde cedo no gabinete da presidência assinando documentos e recebendo líderes partidários para articular a sua permanência no cargo. Entre as visitas, já passaram por lá os líderes do PMDB, Leonardo Picciani (RJ) e do PP, Aguinaldo Ribeiro (PB). Apesar de considerarem que ele não possui apoio do plenário, o discurso é de que a renúncia é uma "decisão pessoal".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos