Topo

Defender a CPMF? Novas eleições? PT diverge sobre tom da oposição a governo Temer

Ueslei Marcelino/Reuters
"Nada do que vier desse governo ilegítimo será aprovado por nós. Faremos oposição ferrenha", diz Paulo Pimenta Imagem: Ueslei Marcelino/Reuters

Em Brasília

2016-05-16T07:43:00

16/05/2016 07h43

A cúpula do PT está dividida sobre o tom da estratégia de oposição ao governo comandado por Michel Temer. À procura de uma bandeira que vá além do discurso do "golpe" contra Dilma Rousseff, afastada da Presidência por até 180 dias, o comando petista pode apoiar até mesmo a proposta de antecipação das eleições presidenciais, mas ainda há divergências sobre o rumo a seguir.

O PT também abriga diferentes posições sobre a forma de tratar, a partir de agora, projetos que sempre defendeu, como a recriação da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF). A intenção de reeditar a CPMF como "imposto temporário" foi anunciada na sexta-feira (13) pelo novo ministro da Fazenda, Henrique Meirelles.

"Nada do que vier desse governo ilegítimo será aprovado por nós. Faremos oposição ferrenha", afirmou o deputado Paulo Pimenta (PT-RS).

Nem todos, porém, têm a mesma opinião. "Em princípio, o que nós defendíamos antes, continuaremos defendendo. Se os recursos da CPMF forem vinculados à saúde, a proposta pode ter nosso apoio. Sou favorável a isso", disse o ex-líder do governo no Senado Humberto Costa (PT-PE), que foi ministro da Saúde no primeiro mandato de Luiz Inácio Lula da Silva.

O modelo da oposição petista será discutido nesta segunda (16), na reunião da Executiva do partido, e também na terça, quando haverá encontro do Diretório Nacional, em Brasília, com a presença de ex-ministros, governadores e prefeitos. Lula foi convidado, mas no domingo (15) informou que não poderá comparecer.

Antes de o impeachment ser aprovado pelo Senado, em primeira votação, Dilma chegou a cogitar a possibilidade de enviar ao Congresso uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC) para encurtar o seu mandato. Seria uma tentativa de fazer um aceno para o diálogo com outras forças e, ao mesmo tempo, de "emparedar" Temer.

Recuo

Dilma desistiu de enviar a proposta porque a CUT e o MST foram contrários à ideia. Agora que ela não tem mais a caneta na mão, uma ala do PT quer avalizar uma proposta em tramitação no Senado, que prevê eleições presidenciais em outubro, mês das disputas municipais.

A chance de aprovação de um projeto assim é remota, mas correntes do PT julgam necessário movimentar o debate político e constranger Temer.

Mais uma vez, há divergências. "Não é o momento de tratar disso. Temos de fazer a defesa do mandato de Dilma, lutar pelo 'Fora, Temer' e cuidar das eleições para prefeituras", disse o deputado Paulo Teixeira (PT-SP). "Essas devem ser nossas prioridades." As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo".

Dilma-Temer: a cronologia de um casamento político que acaba em conflito

UOL Notícias

Mais Notícias