Base de Temer faz acordo para encurtar sessão da comissão do impeachment

Brasília - Os senadores da base do presidente em exercício Michel Temer foram orientados a não fazer perguntas para a segunda testemunha da defesa, o ex-secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura André Nassar. As testemunhas desta terça-feira, 14, foram convidadas a falar sobre a operação de crédito realizada entre o governo e o Banco do Brasil, referente ao Plano Safra.

Por enquanto, apenas senadores aliados de Dilma têm feito questionamentos à testemunha. A senadora Simone Tebet (PMDB-MS) argumentou que a testemunha não teria condições de responder às perguntas por não ser advogado e nem ter trabalhado no Banco Central.

Os aliados do governo querem evitar que a sessão se estenda e aproveitar para acelerar o processo. Terça-feira é dia de sessão deliberativa no Senado e, caso se inicie alguma votação no plenário da Casa, a comissão vai precisar interromper seu trabalho.

Por precaução, a base de Temer adotou a estratégia de não fazer perguntas para encurtar a sessão. O objetivo é encerrar a sessão todos os dias antes da abertura de votações no plenário do Senado, evitando atrasos no calendário.

Na madrugada desta terça, o governo Temer sofreu uma derrota no processo de impeachment quando o presidente do Supremo, Ricardo Lewandowski, aceitou o recurso da defesa para garantir uma perícia. O procedimento pode atrasar o calendário do impeachment.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos