Moura: se líderes concordarem, eleição na Câmara pode ser na segunda-feira

Brasília - O líder do governo na Câmara, André Moura (PSC-SE), defendeu que o processo de sucessão na presidência da Casa, após a renúncia de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) ao cargo, seja breve. Caso haja concordância dos líderes, o objetivo do governo é realizar nova eleição já na próxima segunda-feira, 11.

"Queremos fazer a eleição o mais rapidamente possível, para trazer estabilidade para a Casa. Se realizarmos a votação na segunda-feira, teremos o restante da semana para votar matérias no plenário antes do recesso parlamentar", argumentou o líder. De acordo com Moura, a Câmara vai realizar uma reunião de líderes ainda nesta quinta-feira, às 17h, para tratar dos procedimentos da sucessão e fechar um calendário.

O líder apontou que existem diversos candidatos à presidência na base do governo. Ele citou os deputados Rogério Rosso (PSD-DF), Beto Mansur (PRB-SP) e Rodrigo Maia (DEM-RJ). O objetivo do governo, segundo Moura, é fechar uma candidatura única para fortalecer a eleição.

"Estive mais cedo com o presidente Temer e ele espera que a Câmara consiga construir uma candidatura única, com um nome da base do governo. Mas como um homem de Congresso, Temer entende que essa é uma decisão do Parlamento e não vai haver qualquer interferência do governo na escolha do nome", disse.

André Moura também afirmou que não houve interferência do governo na renúncia de Cunha. Apesar da proximidade com o ex-presidente da Câmara, Moura negou saber de qualquer estratégia do peemedebista para evitar sua cassação e disse que a decisão vai passar por todos no plenário da Câmara. Aliado de Cunha, Moura não quis revelar o seu voto.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos