"Quando atiram pedras, eu jogo flores", diz Kassab sobre críticas de Haddad

Em Brasília

  • Marcelo Camargo/Agência Brasil

    O ministro da Ciência e Tecnologia e ex-prefeito de São Paulo Gilberto Kassab (PSD)

    O ministro da Ciência e Tecnologia e ex-prefeito de São Paulo Gilberto Kassab (PSD)

Presidente licenciado do PSD, o ministro Gilberto Kassab, comentou nesta terça-feira (26) as críticas feitas pelo prefeito Fernando Haddad (PT) e disse que participará da campanha eleitoral na capital paulista lembrando "o seu legado".

"Na campanha eu sou muito propositivo, eu sou uma pessoa que quando atiram pedras, eu jogo flores", disse, após reunião com o presidente em exercício, Michel Temer, no Palácio do Planalto. "No momento adequado, nas minhas manifestações vou lembrar o que fiz, o Haddad vai lembrar o que fez e acredito que o eleitor vai querer identificar quem é o melhor gestor da cidade", afirmou.

Candidato à reeleição, Haddad escolheu o seu antecessor no cargo como o alvo das críticas feitas durante sabatina realizada hoje pelo UOL, Folha de S.Paulo e o SBT.

Haddad afirmou que os motivos para sua baixa popularidade foram o fato de o debate político do país ter se nacionalizado nos últimos quatro anos e ainda porque não teve oportunidade de se comunicar, já que direcionou parte da verba de publicidade para investimentos na cidade. "O Kassab gastou quase R$ 1 bilhão com publicidade e no meu mandato vou cortar quase 50%, com a economia de R$ 400 milhões", acusou Haddad.

Haddad fala em "deficit de comunicação" ao tratar da sua baixa aprovação

  •  

Aliança em SP

Mesmo com o anúncio da aliança entre a candidata Marta Suplicy, do PMDB, e Andrea Matarazzo, do PSD, para a disputa da prefeitura da capital paulista, Kassab preferiu cautela no seu discurso e disse que ainda não havia decisão da possível chapa e que Matarazzo seria o responsável pela definição.

Questionado sobre as incoerências de estar ao lado de sua ex-adversária política, Kassab afirmou que é claro que há divergências, se não eles estariam no mesmo partido, mas disse que em uma aliança "você pega os pontos em comum". "Marta como prefeita fez o bilhete único, foi um dos grandes pontos de sua gestão, e nós ampliamos o bilhete único", exemplificou.

O ministro negou que tenha conversado nos últimos dias com o presidente Michel Temer sobre a aliança em São Paulo, mas disse que é evidente que o fato deles serem presidentes licenciados dos partidos e terem uma boa relação ajuda na composição da chapa. "Evidente que ajuda sim, eu não falei com ele sobre essa questão, pelo menos nos últimos dias, mas tenho certeza que caso aconteça essa aliança ele ficará feliz", disse.

Sem saber da oficialização da chapa, que ocorreu nesta manhã, Kassab disse ainda que torcia para que a decisão sobre a chapa saísse logo. "E qualquer que seja a decisão terá meu apoio e meu respeito. Se tiver a aliança, São Paulo terá uma chapa com duas pessoas bem preparadas."

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos