Para Anastasia, sucesso do PSDB em 2018 depende de governo Temer

O senador Antonio Anastasia (PSDB-MG) torce pelo sucesso do governo Temer para facilitar a chegada do PSDB à presidência em 2018. O tucano fez um balanço positivo do governo peemedebista até então, minimizando críticas recentes dos colegas de legenda.

Analisando as chances de o PSDB chegar à presidência em 2018, o tucano disse que a melhoria da situação econômica do País nos próximos dois anos pode alavancar o PSDB, que é parte forte do governo Temer.

"Se conseguimos engrenar, conseguimos fazer reforma, a economia volta a crescer, isso acaba sendo preponderante até no humor das pessoas", disse o senador em entrevista ao programa Roda Viva, da TV Cultura. Questionado se o PSDB tem que "torcer" para o governo dar certo, o tucano respondeu que "o Brasil tem que torcer".

O senador também minimizou críticas feitas em artigo do Instituto Teotônio Vilela, ligado ao PSDB, e ponderou que o governo atual teve pouco tempo para trabalhar. "É um momento de transição. Agora mais ainda, por ser um governo interino. Exigir agora do governo Temer é muito. Por enquanto, na minha opinião, está bom. Mas é todo um processo", disse Anastasia.

Entretanto, não faltaram críticas à condução das receitas, aspecto que tem sido muito questionado pelo PSDB, que defende uma postura econômica mais austera e com cortes de gastos. "Nesse momento, a despesa deve ser mais combatida. Quando houver um corte pleno e abrupto de despesas desnecessárias, será mais fácil reverter o quadro econômico", disse.

Quanto aos três principais presidenciáveis do PSDB, Aécio Neves (MG), José Serra (SP) e Geraldo Alckmin (SP), Anastasia não escondeu sua predileção pelo conterrâneo mineiro, mas elogiou os demais colegas de partido. Ele também negou que haja rivalidade entre os políticos e afirmou que não há nenhuma intenção de Serra de deixar o PSDB.

Impeachment

Anatasia, que também foi o relator do processo de impeachment, desviou de questões que compararam as acusações que ele imputou à presidente Dilma Rousseff com resoluções fiscais semelhantes que tomou durante o seu próprio governo no Estado de Minas Gerais.

Para o senador tucano, não há comparação, já que a acusação sobre pedaladas fiscais com bancos públicos não poderiam ter sido feitas em seu governo, visto que não há bancos públicos estaduais em Minas Gerais. Anastasia não chegou a debater o fato de que o Ministério Público Federal não considera as pedaladas como crime e pediu o arquivamento do processo contra Dilma.

No que diz respeito a edição de decretos de créditos suplementares, medida que o tucano também utilizou no governo de Minas Gerais, Anastasia respondeu que essa restrição não existe na lei estadual. Desta forma, Dilma pode ser punida, mas ele não. (Isabela Bonfim)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos