Marina Silva volta a defender impeachment e pede urgência na cassação Dilma-Temer

São Paulo - A ex-senadora Marina Silva, líder do partido Rede de Sustentabilidade, se manifestou nesta quarta-feira, 31, pelas redes sociais e voltou a se posicionar a favor do impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff (PT). Ela também reafirmou que defende a convocação de novas eleições para escolher quem fará a transição na Presidência até 2018 e pediu urgência no processo que corre no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para cassar a chapa Dilma-Temer.

"Estou acompanhando a votação do impeachment no Senado e volto a afirmar que o impeachment não é golpe. Está previsto na nossa Constituição e considero que houve crime de responsabilidade da presidente Dilma, a partir do que foi apresentado durante o processo, aberto em dezembro de 2015", disse Marina, em texto publicado nas redes sociais.

Ela repetiu que o afastamento de Dilma não alcança a finalidade de passar o País "a limpo". Ao defender urgência ao processo que tramita no TSE, ela afirmou que PT e PMDB praticaram juntos os mesmos crimes.

"Que se devolva à sociedade brasileira a possibilidade de escolher quem vai fazer a transição até 2018", escreveu.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos