Processo de impeachment

Fatiamento não favorece Cunha, diz Renan Calheiros

Em Hangzhou (China)

  • Ueslei Marcelino

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), disse neste sábado (3) que seria uma punição "desproporcional" suspender o direito de Dilma Rousseff de exercer função pública após a aprovação do impeachment.

Segundo ele, a decisão de poupar a ex-presidente não criará precedente favorável ao ex-presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), nem para o ex-senador Delcídio do Amaral.

"Era desproporcional afastar e punir", disse Renan em entrevista na China, onde acompanha o presidente Michel Temer, que participa da reunião do G-20. Anteontem, Delcídio recorreu ao STF (Supremo Tribunal Federal) para pedir a restauração do direito com base no impeachment de Dilma.

Renan negou que tenha havido uma articulação. Segundo ele, o fatiamento foi discutido durante o afastamento do ex-presidente Fernando Collor de Mello, em 1992. Na época, o caso chegou ao STF, em um julgamento que terminou empatado.

O presidente do Senado disse que será inevitável que o Supremo reveja os aspectos de procedimentos do processo que levou ao afastamento de Dilma do cargo e à manutenção do direito de exercer função pública.

"Há uma judicialização da política", afirmou.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos