Diretor da Odebrecht é alvo de condução coercitiva na Operação Acrônimo

Em Brasília

  • Paulo Whitaker/Reuters

    Prédio onde fica a sede da construtora Odebrecht, em São Paulo

    Prédio onde fica a sede da construtora Odebrecht, em São Paulo

O diretor da Odebrecht João Carlos Mary Nogueira foi alvo nesta quinta-feira (15), de mandado de condução coercitiva e de busca e apreensão pela 8ª fase da Operação Acrônimo.

Nogueira foi levado a depor na superintendência da PF no Rio de Janeiro. Ele é um dos diretores que fazem delação premiada pela Odebrecht na Operação Lava Jato. Na Acrônimo, a empreiteira é acusada de pagar propina de U$ 7,6 milhões em troca de contratos com o BNDES no valor de U$ 3 bilhões.

No total, os investigadores descobriram que a empreiteira contratou a empresa de consultoria DM Desenvolvimento de Negócios Internacionais para intermediar ao menos dez contratos com o BNDES. Essa firma, segundo as apurações, agilizou a liberação do contrato de empréstimo com o banco e conseguiu as garantias necessárias para obtê-los.

O dono da DM, Álvaro Luiz Vereda Oliveira, também foi alvo de mandados de condução coercitiva e de busca e apreensão. Antes de abrir a empresa, ele exerceu importantes cargos no BNDES e ministérios da Fazenda e Relações Exteriores.

Segundo os investigadores, até 2014 o único cliente da DM foi a Odebrecht. A firma funciona na casa do dono e não tem funcionários.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos