Ibama aponta atraso em obras para conter rejeitos da Samarco

Em Belo Horizonte

  • Fred Loureiro/Secom (ES)

    Rompimento da barragem completa um ano no próximo dia 5

    Rompimento da barragem completa um ano no próximo dia 5

Um balanço apresentado nesta terça-feira (25) pelo Ibama (Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis) aponta atraso na obra para contenção de rejeitos na barragem da Samarco, em Mariana (MG), que se rompeu há quase um ano, e na recuperação da região. O documento afirma ainda que há atrasos no repasse de recursos a municípios para investimentos em saneamento. O rompimento da barragem completa um ano no próximo dia 5.

Em relação às obras, a presidente do Ibama, Sueli Araújo, afirmou que serão suficientes, mas que o atraso, juntamente com o início das chuvas, traz um "desafio" para o momento.

"Com a chuva você não sabe o que vai ocorrer entre Fundão [a barragem da Samarco que ruiu] e Candonga [a represa hidrelétrica que fica no rio Doce, curso d'água que recebeu a maior parte dos rejeitos, a cerca de 100 quilômetros do local do acidente)." A estrutura conteve parte dos rejeitos que vazaram de Fundão no dia 5 de novembro.

De acordo com o Ibama, há hoje 43,5 milhões de metros cúbicos de metros cúbicos de lama entre Fundão e Candonga. "Reconhecemos o atraso. Não estamos falando que está bem. Falamos que está monitorado", disse Sueli.

MP acusa 21 pessoas por homicídio em Mariana

As medidas que vêm sendo tomadas foram definidas no acordo fechado entre a Samarco e suas controladoras, Vale e BHP Billiton, com a União e os Estados de Minas Gerais e Espírito Santo.

O acordo foi questionado na Justiça pelo Ministério Público Federal em Minas Gerais, que alegou não ter havido participação da população. A Justiça ainda não decidiu se o acordo valerá ou não. "[O termo] é válido entre as partes independente da decisão judicial", afirmou Sueli. As obras estão a cargo da Samarco.

A presidente do Ibama disse ainda R$ 50 milhões, de um total de R$ 500 milhões previstos no acordo, para municípios investirem em água e esgoto estão atrasados. A justificativa foi o período eleitoral, segundo Sueli.

Em função das chuvas, conforme a presidente do Ibama, existe a possibilidade de aumento da turbidez da água no rio Doce, prejudicando a captação de água para consumo humano.

A presidente do Ibama afirmou ainda que um plano de ação emergencial será implantado para informar a população sobre cuidados a serem tomados em caso de aumento do carreamento de rejeitos para o rio Doce e afluentes. O aumento da turbidez pode indicar presença de metais pesados na água.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos