'Precisamos atuar fortemente', diz secretário sobre heroína na Cracolândia

Em São Paulo

  • Zanone Fraissat/Folhapress

    Aglomeração de barracos usados para uso e tráfico de crack na cracolândia, no centro de SP

    Aglomeração de barracos usados para uso e tráfico de crack na cracolândia, no centro de SP

O secretário de Estado da Saúde, David Uip, disse que a chegada da heroína na região da Cracolândia, na Luz, centro de São Paulo, é um "agravo muito importante" e que o governo deve atuar na prevenção para evitar que a substância se espalhe. "O indivíduo viciado em heroína precisa de poucas utilizações para ficar definitivamente viciado. Como tudo, é uma questão de tempo", disse.

A droga estaria sendo trazida por um grupo de nigerianos e tanzanianos que do oeste da África e a comercializando em pequenas quantidades, que custam R$ 50 - cinco vezes mais cara que a pedra de crack. Os principais usuários da droga não são brasileiros, mas outros africanos que moram na região central de São Paulo.

Pesquisadores e agentes de saúde do programa Recomeço, do governo do Estado, confirmaram a presença da droga por meio de relatos e exames nos pacientes. "Nós precisamos atuar muito fortemente na prevenção e, do ponto de vista criminal, na repressão do traficante", disse.

Falta de diálogo emperra programas de Haddad e Alckmin na cracolândia

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos