Crivella quer negociar com Temer a municipalização do Porto do Rio

Em Brasília

  • Paula Bianchi/UOL

    No primeiro dia como prefeito eleito, Crivella, foi a diversos eventos com eleitores nas zonas norte e oeste

    No primeiro dia como prefeito eleito, Crivella, foi a diversos eventos com eleitores nas zonas norte e oeste

O prefeito eleito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (PRB), se reúne com o presidente Michel Temer nesta terça-feira (1), em Brasília. A pauta é a municipalização do Porto do Rio de Janeiro e maiores repasses para a Saúde.

"Eu vou conversar com o presidente Temer sobre a municipalização do porto do Rio de Janeiro, acho que é uma coisa importante e o governo já fez concessão em outras prefeituras", afirmou. Segundo ele, caso municipalizado, o porto renderia receitas de, no mínimo, R$ 100 milhões por ano.

Quanto à saúde, o prefeito eleito disse que não se importa em gerir plenamente o SUS (Sistema Único de Saúde) na cidade do Rio, desde que possa contar com repasses e reajustes do governo federal. "Acho que seria bom para ambas as partes", disse.

O senador defendeu que a relação com o governo federal, do qual seu partido faz parte com um ministério, será a melhor possível. "O Rio de Janeiro, quando elegeu o Crivella, decidiu que não queria que a cidade do Rio virasse um bunker ideológico, com essa coisa de luta política. O PRB tem um ministério, faz parte do governo e eu espero contar com todo o apoio para que o Rio de Janeiro possa superar o momento de crise", afirmou.

Crivella espera contar com o colega de partido, Marcos Pereira, ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio para desenvolver o turismo no Rio. "O Rio não pode viver só do turismo de lazer, precisa do turismo de negócios. São feiras, convenções, congressos. O Rio cresceu muito em sua hotelaria e eu preciso de parceria com o governo federal para ter um bom calendário."

Convergência

Crivella disse ainda ver grande convergência de pensamento entre ele e os prefeitos eleitos de São Paulo, João Doria (PSDB), e Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PHS). "Em nossas posições, há uma certa preservação dos valores tradicionais dessa civilização cristã ocidental", afirmou.

O senador aproveitou para criticar aqueles que classificam seus posicionamentos de "conservadorismo". "Isso traz uma ideia de intolerância, o que não ocorre. Nós três somos bem democráticos na nossa maneira de ser e agir", defendeu.

Por outro lado, Crivella, que é também bispo licenciado da Igreja Universal do Reino de Deus, acredita que o resultado da eleição em três das maiores capitais do Brasil demonstra a rejeição a uma pauta progressista. "Acho que é uma mensagem contra a legalização do aborto, a liberação das drogas e a discussão da ideologia de gênero nas escolas."

Ocupações

O senador também criticou o movimento dos estudantes secundaristas, que já ocuparam mais de mil escolas em todo o Brasil em protesto contra a PEC do teto dos gastos, a reforma do ensino médio e o projeto Escola sem Partido. "Vejo com pesar. Acho que essa ocupação com violência, na hora das aulas e da maneira como está sendo feita, não vai ter efeito político. Na verdade, não vão ter vantagens, mas vai ter um grande prejuízo na educação dos nossos jovens."

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos