Petrobras

Empresário confirma empréstimo ilegal a Bumlai

  • Chello Fotógrafo - 27.jun.2016/Futura Press/Estadão Conteúdo

    O pecuarista José Carlos Bumlai contraiu dívida de R$ 12 milhões com o PT

    O pecuarista José Carlos Bumlai contraiu dívida de R$ 12 milhões com o PT

Em depoimento prestado à Justiça Federal nesta terça-feira (8), o empresário Salim Taufic Schahin reiterou que obteve contrato de US$ 1,6 bilhão para operar o navio-sonda Vitória 10.000, da Petrobras, em troca de perdoar dívida de R$ 12 milhões feita pelo pecuarista José Carlos Bumlai para o PT.

A oitiva foi realizada pela 10ª Vara de Brasília, por videoconferência, para instruir ação penal na qual o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e outros réus, entre eles o ex-senador Delcídio Amaral (ex-PT, hoje sem partido), respondem por suposta obstrução da Operação Lava Jato.

Conforme a denúncia, oferecida pelo Ministério Público Federal, Lula teria participado de uma operação para evitar a delação premiada de Nestor Cerveró. A peça acusatória narra uma tentativa de "comprar" o silêncio do ex-diretor da Petrobras.

No depoimento, Salim confirmou o empréstimo ilegal, mas disse desconhecer fatos relacionados à suposta tentativa de barrar o depoimento de Cerveró. "Não sei absolutamente nada", afirmou o empresário, que também fez acordo de delação na Lava Jato.

O delator atestou ter feito o empréstimo para Bumlai em 2004. Contudo, como o pagamento das parcelas não foi cumprido dois anos depois, a instituição financeira passou a cobrar o pecuarista, que declinava da obrigação e alegava se tratar de dinheiro para o PT.

O empresário informou, ainda, que o ex-tesoureiro do partido Delúbio Soares chegou a ser levado, numa ocasião, para uma das reuniões com o Banco Schahin para demonstrar que o empréstimo era para a legenda.

Segundo Salim, o tesoureiro que sucedeu Delúbio, João Vaccari Neto, aceitou dar "apoio político" para a contratação da Schahin na Petrobras, desde que o empréstimo de R$ 12 milhões fosse considerado quitado. "Em função do acordo que nós tínhamos, nós perdoamos o empréstimo, numa operação simulada", afirmou.

O delator disse, também, que a dívida de Bumlai foi comprada pela empresa de securitização do Banco Schahin. Reiterou que, para acobertar o perdão dos débitos, foi montada uma operação fictícia de repasse de embriões bovinos de empresas do pecuarista para as fazendas do Grupo Schahin.

Outros depoimentos

Nesta terça-feira (8), a Justiça também ouviu os empresários Milton e Fernando Schahin. Eles disseram que não tinham o que declarar. Os depoimentos não se alongaram, já que os advogados dos réus abdicaram de fazer perguntas.

Também foi ouvida a advogada Alessi Brandão, que trabalhava em 2015 na defesa de Cerveró, juntamente com o o criminalista Edson Ribeiro. Ela afirmou que, ao longo daquele ano, o colega tentou evitar o acordo de colaboração com a Lava Jato, o que gerou desconfiança dela própria e do filho do ex-diretor, Bernardo Cerveró.

Por conta de suspeitas em relação a Ribeiro, a família do ex-diretor da Petrobras decidiu gravar uma reunião entre Bernardo Cerveró, o advogado, o então senador Delcídio do Amaral e seu chefe de gabinete, Diogo Ferreira.

No áudio, o grupo ofereceu dinheiro e um plano de fuga de Cerveró para a Espanha em troca de ele não contar o que sabia à Lava Jato. Delcídio, que mais tarde seria preso e faria acordo de delação, afirmou que a articulação para barrar a colaboração do ex-diretor foi a mando de Lula. "Tomamos conhecimento da participação de Lula após a delação do senador Delcídio", disse Alessi Brandão.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos