Pimentel é alvo de nova denúncia da Operação Acrônimo

Brasília - A Procuradoria-Geral da República apresentou uma segunda denúncia contra o governador de Minas, Fernando Pimentel (PT), no âmbito da Operação Acrônimo. O empresário Marcelo Odebrecht também foi denunciado.

A denúncia relaciona ainda outras quatro pessoas, entre eles o empresário Benedito Oliveira, o Bené, que afirmou em sua delação premiada que a Odebrecht pagou propina a Pimentel.

Segundo Bené, Pimentel queria o repasse de R$ 20 milhões e R$ 25 milhões, mas a direção da Odebrecht só teria autorizado o pagamento de R$ 12 milhões.

A acusação contra o grupo é pela prática dos crimes de lavagem de dinheiro, corrupção ativa e corrupção passiva.

Pimentel já é alvo de uma denúncia na Acrônimo, que está sob a análise da Assembleia Legislativa de Minas. No mês passado, a Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu que o legislativo estadual teria de autorizar a abertura de uma ação penal contra o governador.

Em nota, o advogado de Pimentel, Eugênio Pacelli, disse que essa denúncia é ainda "mais frágil" que a anterior, por ter como base "exclusivamente" o depoimento de um colaborador, no caso Bené, "não se apoiando em nenhum meio de prova admitido pela Justiça".

A assessoria de imprensa da Odebrecht disse que nem a empresa nem a defesa do empresário iriam comentar o caso.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos