Operação Lava Jato

Empresário visto como operador do PMDB pela Lava Jato negocia delação

Em Brasília

  • Odival Reis/Agência Globo

    Prédio da construtora Camargo Corrêa, na zona sul de São Paulo

    Prédio da construtora Camargo Corrêa, na zona sul de São Paulo

Depois de apontado pelo ex-gerente de Relações Institucionais da Camargo Corrêa Gustavo da Costa Marques como um dos operadores de propinas ao senador e ex-ministro Edison Lobão (PMDB-MA), o empresário Rodrigo Brito iniciou tratativas para um acordo de colaboração com investigadores da Lava Jato. O "Estadão" apurou que ele pretende prestar novo depoimento a ser prestado à Polícia Federal.

Rodrigo é filho de Fernando Brito, dono da AP Energy Engenharia e Montagem, que, segundo as investigações, foi usada pela Camargo para intermediar pagamento de ao menos R$ 2 milhões a Lobão, em suborno referente às obras de Belo Monte.

Como revelou o Estadão nesta terça-feira, 15, Marques, que também colabora com a Lava Jato, afirmou à PF ter omitido informações em dois depoimentos para seguir "versão estabelecida" pela empreiteira.

O advogado de Rodrigo Brito, Daniel Bialski, disse que não poderia comentar o caso, pois ele é sigiloso. A defesa de Lobão nega irregularidades. As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos