Pacote anticorrupção do Ministério Público não constitui jabuticaba, diz Janot

Brasília - O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, defendeu nesta quarta-feira, 7, a versão do pacote anticorrupção apresentada pelo Ministério Público Federal, que acabou descaracterizada na Câmara dos Deputados. Em evento comemorativo ao Dia Internacional contra a Corrupção, que se celebra no dia 9 de dezembro, Janot disse que as medidas originais não constituem uma "jabuticaba" e ressaltou que a prevenção é o melhor remédio no combate a irregularidades.

"O melhor detergente que existe é a luz do sol. A transparência nas nossas atividades, a transparência nas atitudes funcionais que tomamos, na atuação de cada um desses órgãos de controle, é essencial. A transparência é essencial pra que não se deixe dúvidas na atuação dos órgãos de controle", afirmou Janot.

Entre as propostas apresentadas pelo Ministério Público estavam a criminalização do enriquecimento ilícito, o aumento das penas de corrupção, a criminalização do caixa 2 e a punição objetiva de partidos políticos por corrupção em condutas futuras.

"Nenhuma dessas medidas constitui jabuticaba, nenhuma delas é invenção brasileira", disse Janot, destacando que as medidas propostas pelo Ministério Público já foram testadas em países com legislação mais avançada. "Esses instrumentos são constantes de tratados e convenções internacionais que recomendam boas práticas", acrescentou o procurador-geral da República.

A Câmara dos Deputados fez mudanças ao pacote, aprovando uma emenda que prevê punições a juízes e membros do Ministério Público, que poderão responder por abuso de autoridade.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos