Alerj tenta negociações para salvar pacote de austeridade do governo do Rio

No Rio

  • Paula Bianchi/UOL

    6.nov.2016 - No último protesto em frente à Alerj, a cavalaria da PM foi acionada para conter manifestantes que tentavam invadir o prédio

    6.nov.2016 - No último protesto em frente à Alerj, a cavalaria da PM foi acionada para conter manifestantes que tentavam invadir o prédio

Após apresentar o orçamento de 2017 com uma previsão de déficit de R$ 17,1 bilhões, o governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão (PMDB), entra nesta semana com a expectativa de salvar parte do pacote de austeridade anunciado no início de novembro.

As medidas mais controversas seriam votadas nesta segunda-feira (12), na Alerj (Assembleia Legislativa do Rio), mas a sessão foi adiada para quarta-feira (14). O presidente do Legislativo, Jorge Picciani (PMDB), marcou reunião para terça-feira (13) para tentar um acordo em torno de ajustes nos gastos com a folha de pagamento da área de segurança.

O pacote tinha 22 projetos no formato original. O objetivo era gerar economia de R$ 27,8 bilhões nas contas de 2017 e 2018, com cortes de gastos, elevação de receita (com tributos e contribuição previdenciária) e extinção de programas sociais.

Nas primeiras sessões na Alerj, a rejeição dos deputados a vários projetos apresentados reduziu a economia em pelo menos R$ 12 bilhões.

A sessão desta segunda votaria os dois mais importantes projetos que sobraram no pacote. Um deles aumenta a contribuição previdenciária de servidores públicos ativos e inativos, de 11% para 14% do salário bruto. A contribuição do governo seria elevada de 22% para 28%. O saldo positivo seria de R$ 1,2 bilhão ao ano.

O outro projeto adia, em três anos, os aumentos salariais concedidos em 2014, sobretudo para os servidores da área de segurança. A economia seria de R$ 835 milhões já no ano de 2017, R$ 1,5 bilhão em 2018 e R$ 2,3 bilhões em 2019, pelos cálculos do governo fluminense.

O presidente da Alerj acha possível chegar a um acordo. Para a reunião de amanhã estão convocados o secretário estadual de Segurança Pública, Roberto Sá, o secretário estadual de Administração Penitenciária, Erir Ribeiro Costa Filho, o chefe da Polícia Civil, os comandantes da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros, além dos sindicatos dessas categorias.

Negociação

O plano é negociar diretamente com os servidores e os comandos das forças. Um acordo passaria por um compromisso do governo com o pagamento em dia de salários e do 13º - a secretaria estadual de Fazenda já anunciou que parcelará os vencimentos de novembro, assim como ocorreu com o vencimento do mês de outubro.

Os sindicatos poderiam aceitar porque é melhor receber os salários do que lutar por um aumento que não será pago.

"Se a gente conseguir uma proposta mínima, seja lá qual for, e o governo assumir compromissos, aí eu intermediarei com o governador", disse Picciani ao à reportagem neste domingo, 11.

Seria uma reedição da primeira vitória de Pezão, na última quinta-feira, quando um dos projetos rejeitados, a restrição aos subsídios do Bilhete Único Intermunicipal, voltou à pauta, remodelado, após reunião dos líderes dos partidos na Alerj, e foi aprovado.

A economia para os cofres do Estado ficou até maior: na proposta inicial, a economia seria de R$ 258 milhões ao ano, mas acabou sendo calculada em R$ 400 milhões ao ano.

Antes disso, o pacote proposto pelo governo só encolhia na Alerj. A prisão do ex-governador Sérgio Cabral (PMDB), no último dia 17, e os protestos do lado de fora da sede do Legislativo impulsionaram a perda de controle sobre a base aliada.

Pelo menos dois deputados com trânsito no governo relataram à reportagem, sob condição de anonimato, que a tramitação do pacote enfrentava dificuldades. Um deles disse que faltava diálogo com o governo.

Para Picciani, é preciso chegar a um consenso mínimo para parte do pacote ser aprovada. Na terça, 13, será votada também a proposta de elevação de taxas do ICMS. A demonstração de que está avançando na austeridade seria condição para o governo fluminense negociar com o governo federal uma ajuda para o Estado.

"Se essa crise se agrava no Rio, vai arrastar o restante do país", disse o presidente da Alerj.

Os sindicatos de servidores parecem pouco dispostos a conversar. Um protesto contra os ajustes, organizado pelo Movimento Unificado dos Servidores Públicos Estaduais (Muspe), segue marcado para as 10 horas desta segunda, mesmo após o adiamento das votações.

O último protesto terminou de forma violenta, com um confronto de 5 horas entre manifestantes e policiais que se alastrou pelas ruas do Centro do Rio. Neste domingo, algumas lojas e agências bancárias do Centro estavam com as fachadas cobertas por tapumes de madeira, para evitar danos nas vidraças. As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos