Departamento de propinas da Odebrecht movimentou R$ 1 bilhão em 10 anos

Em São Paulo

  • Zanone Fraissat/Folhapress

    Os valores eram, segundo as investigações, propina e recursos de caixa 2 para políticos e agentes públicos, solicitados por diretores das empresas do grupo em troca de favores

    Os valores eram, segundo as investigações, propina e recursos de caixa 2 para políticos e agentes públicos, solicitados por diretores das empresas do grupo em troca de favores

A Odebrecht montou uma estrutura financeira paralela para operar os repasses de propinas da empreiteira a agentes públicos e políticos. Chamados de "prestadores de serviços", esses operadores financeiros teriam movimentado mais de R$ 1 bilhão, entre 2004 e 2014, só em contratos com a Petrobras, segundo estimativa da força-tarefa da Operação Lava Jato.

Foram esses "prestadores de serviços" que mantiveram em funcionamento a estrutura de contas secretas em nome de empresas offshores (que existiam no papel, com sede fora do Brasil) usadas para a movimentação de dinheiro de propina. A partir delas eram feitas transferências no exterior e de lá também saíam valores para entregas de moeda em espécie.

Segundo a força-tarefa, entre os prestadores de serviços haviam operadores do mercado financeiro legal, doleiros, lobistas e ex-executivos que trabalhavam externos aos quadros da Odebrecht, mas que eram vinculados ao Setor de Operação Estruturas --departamento do grupo que cuidava dos repasses a políticos e agentes públicos, conforme a Lava Jato.

A ex-secretária Maria Lúcia Guimarães Tavares trabalhou no "departamento de propinas" da Odebrecht de 2006 a 2015. Era ela que controlava, na sede da empresa em Salvador, as execuções de pagamentos em espécie --uma planilha listava as requisições semanais para entregas de dinheiro.

Os valores eram, segundo as investigações, propina e recursos de caixa 2 para políticos e agentes públicos, solicitados por diretores das empresas do grupo em troca de favores e contratos públicos --em especial da Petrobras.

Delação de executivo atinge cerca de 40 políticos

Após a prisão de Maria Lúcia, em março, e a delação fechada pela ex-secretária com a força-tarefa, executivos e ex-executivos do grupo também buscaram a colaboração.

Após nove meses de tratativas, 77 executivos e ex-executivos começarão, hoje, a ser ouvidos por procuradores da República. Os acordos ainda precisam ser homologados pelo ministro Teori Zavascki, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal.

Caminho

O esquema da lavagem de dinheiro operado pelo Setor de Operações Estruturas e seus "prestadores de serviços" começava com as offshores, que movimentavam dinheiro em "camadas", conforme as investigações.

O objetivo era distanciar a Odebrecht da origem dos valores, legalizar a saída dos recursos da empresa, com contratos e notas falsas, e possibilitar a entrega das propinas de forma dissimulada.

Na sistemática descoberta pela Lava Jato --e que agora deve ser confirmada nas delações--, a Odebrecht mantinha uma primeira camada de offshores controlada por ela mesma. A partir dessas contas, o dinheiro da propina começava a ser movimentado.

Da primeira camada ele era transferido para offshores de operadores financeiros ligados ao grupo. Numa terceira etapa, os valores seguiam para dois destinos. Para quem quisesse receber no exterior, o dinheiro era transferido para offshores que tinham os beneficiários como controladores. Outra forma de pagamento era por entrega de moeda em espécie no Brasil.

Em novembro, a Lava Jato prendeu importante figura nessa engrenagem de pagamentos da Odebrecht. O advogado Rodrigo Tacla Duran, detido na Espanha, era o principal elo entre o Setor de Operações Estruturas e os doleiros e fornecedores de moeda no Brasil. Duran mantinha contato com doleiros e operadores do câmbio negro no Brasil para efetivar os repasses a políticos e agentes públicos.

Codinomes

A Odebrecht montou um esquema de codinomes, senhas e mensagens cifradas para tentar ocultar os verdadeiros envolvidos nos esquemas de corrupção e lavagem de dinheiro, segundo os investigadores da Lava Jato.

Da mesma forma que os políticos tinham codinomes - "Justiça" identificaria o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), e "Caranguejo", o deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) - cada "prestador de serviço" tinha uma conta nomeada por um apelido.

Nas planilhas e no sistema de comunicação do Setor de Operações Estruturadas foram encontradas contas em nome de "Paulistinha", "Carioquinha", "NOB", "CXSSAR", Sevenmp", "Tonico", entre outros. Uma das principais contas, em volume de recursos, é a "Paulistinha" e "Carioquinha", que seriam referências a Álvaro Novis, da Hoya Corretora.

Outros operadores da Odebrecht eram o lobista Adir Assad e seu irmão Samir. Eles eram identificados nas planilhas como "Operação Kibe e Esfirra". Além de operar recursos, forneciam contratos e notas de suas empresas para efetivar repasses.

Os operadores estão entre os nomes citados no acordo de delação premiada da Odebrecht. Os executivos devem confirmar que esses "prestadores de serviços" eram responsáveis por distribuir dinheiro ou para dissimular a origem de transferências em contas secretas (em nome de offshores) fora do Brasil. As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos