Citado em delação da Odebrecht, assessor especial de Temer pede demissão

São Paulo - O assessor especial da Presidência da República José Yunes pediu demissão do cargo nesta quarta-feira, 14. Em carta, ele afirmou que a demissão é para preservar sua dignidade. Yunes, que é amigo do presidente Michel Temer há 50 anos, foi citado no anexo da delação do ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht Cláudio Melo Filho.

"Nos últimos dias, vi meu nome jogado no lamaçal de uma abjeta delação. É fantasiosa a alegação que teria recebido recurso em espécie de doações do PMDB", disse Yunes na carta. Ele lamentou ainda não poder "ajudar o amigo de 50 anos a colocar o País nos trilhos".

Melo Filho afirmou, em anexo entregue ao Ministério Público Federal, que o presidente Michel Temer pediu "apoio financeiro" para as campanhas do PMDB em 2014 a Marcelo Odebrecht, que se comprometeu com um pagamento de R$ 10 milhões.

O ex-executivo detalha um jantar com Temer no Palácio do Jaburu, no qual estiveram presentes Temer, Marcelo Odebrecht e Padilha. Segundo o delator, Temer solicitou "direta e pessoalmente para Marcelo, apoio financeiro para as campanhas do PMDB no ano de 2014".

Uma das entregas teria sido feita no endereço do escritório de advocacia de José Yunes, segundo Melo Filho, o que sugere o pagamento em dinheiro em espécie.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos