'Não tem relação com SP', diz Alckmin sobre massacre envolvendo PCC no AM

  • Newton Mezenes/Futura Press/Estadão Conteúdo

    Para Alckmin, sempre haverá organizações criminosas

    Para Alckmin, sempre haverá organizações criminosas

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), minimizou a relação entre o massacre nos presídios do Amazonas e a facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC), nascida em São Paulo na década de 1990 e onde sua cúpula está presa atualmente.

"Não tem nenhuma relação com São Paulo, aqui não teve problema nenhum", disse o governador, na manhã desta terça-feira, 3, ao comentar o assunto, enquanto visitava uma obra no Butantã, na zona oeste de São Paulo.

O massacre, com 56 mortos, é atribuído a um conflito entre a facção paulista e o grupo Família do Norte (FDN), com sede no Estado da região Norte.

"Organização criminosa você sempre vai ter. Se você pegar o livro sobre a Ilha Anchieta, que foi um presídio 70 anos atrás, já tinha facção criminosa. É claro: as pessoas se organizam. Ficam em uma penitenciária 1.000, 2.000 pessoas, por anos e anos, formam uma rede. Isso existe em todo o lugar. Se você pegar a rebelião do presídio da Ilha Anchieta 70 anos atrás, como a Ilha Grande, no Rio de Janeiro, já existia", disse o governador.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos