Líder do PSOL diz que bancada analisa representação contra Maia

Brasília - O líder do PSOL na Câmara, deputado Glauber Braga (RJ), afirmou nesta quinta-feira, 9, que a bancada do partido está estudando entrar com uma representação no Conselho de Ética contra o presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), em razão das denúncias contra o democrata no âmbito da Operação Lava Jato.

Nessa quarta-feira, 8, reportagem do Jornal Nacional, da TV Globo, mostrou que relatório da Polícia Federal apontou indícios de que Maia tenha prestado favores à empreiteira OAS em troca de doações eleitorais. A investigação teve como base mensagens de celular trocadas entre ele e o ex-presidente da OAS Léo Pinheiro.

O relatório traz as conclusões de inquérito da PF sobre o assunto. No documento, a polícia aponta que há indícios suficientes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro para instaurar processo contra o presidente da Câmara. O deputado do DEM, porém, não chegou a ser oficialmente indiciado pela Polícia Federal.

"Estamos estudando, analisando e dialogando como bancada uma representação. Mas de antemão, entendemos que ele tem que ser mais claro e mais explícito nas respostas políticas. Ele tem que dar resposta se de fato recebeu ou não dinheiro. Explicações genéricas não são suficientes", afirmou o líder do PSOL ao Broadcast Político.

Para representar contra Maia no Conselho de Ética, o PSOL terá de entregar uma representação assinada pela direção do partido. Em outubro de 2015, a legenda e a Rede entraram com representação no colegiado contra Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que acabou tendo o mandato cassado pelo plenário da Câmara em setembro de 2016.

Outro lado

Na manhã desta quinta-feira, Maia evitou responder perguntas de jornalistas sobre o assunto ao chegar a Câmara. Na quarta-feira, em curta resposta à reportagem do Jornal Nacional, disse que "nunca recebeu vantagem indevida para apreciar qualquer matéria na Casa" e que sempre votou "de acordo com orientação da bancada" ou com a própria consciência.

Além da investigação sobre a relação com a OAS, Maia foi citado na delação do ex-diretor da Odebrecht Cláudio Melo Filho, homologada na semana passada pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Melo disse que Maia teria recebido R$ 600 mil para interceder a favor de projetos de interesse da empreiteira na Câmara. Maia nega irregularidades.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos