Mulheres de PMs deixam reunião com governo do ES revoltadas

Vitória, 10 (AE) - Após nove horas e meia de reunião entre mulheres de policiais militares e representantes do governo do Espírito Santo, duas manifestantes deixaram o Palácio Fonte Grande, em Vitória, demonstrando revolta com a postura da gestão Paulo Hartung (que está licenciado por motivos de saúde). Elas afirmaram que o governo não sinalizou com nenhum tipo de reajuste salarial e chamaram o governador de "bandido", no fim da noite desta quinta-feira (9). Os PMs, que estão há quatro anos sem aumento, reivindicam reposição salarial de 43%.

Se não houver acordo entre as partes, o motim dos PMs capixabas vai entrar no sétimo dia nesta sexta-feira (10). O governo calcula que o aumento pretendido pela categoria representaria um custo adicional de R$ 500 milhões nos gastos com a folha de pagamento. O Executivo, no entanto, diz que já ultrapassou o limite de alerta de despesas com pessoal (44,1% da Receita Corrente Líquida) estabelecido pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

Hartung afirmou na quarta-feira que o motim era uma "chantagem" e comparou o ato com um sequestro, dizendo que aceitar as exigências "seria como pagar um resgate".

Os policiais militares estão paralisados desde sábado. Desde então, foram registrados no Espírito Santo 113 homicídios e uma onda de saques e roubos. As aulas foram suspensas e o transporte público opera parcialmente.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos