Relógio deve ser atrasado em 1 hora à meia-noite

São Paulo - Termina à meia-noite deste domingo o horário brasileiro de verão, quando os relógios deverão ser atrasados em uma hora em todos os Estados das Regiões Centro-Oeste, Sudeste e Sul. Em vigor desde 15 de outubro de 2016, a mudança tem como objetivo principal a redução no consumo de energia elétrica no horário de pico, entre 18 e 21 horas. A economia com a alteração ainda não foi divulgada pelo governo. A expectativa do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) é de que o valor fique próximo de R$ 147,5 milhões.

A mudança de horário é adotada no País desde 1931. "O verão é o período que naturalmente demora a anoitecer, o dia é maior. Ou seja, com o horário de verão é possível aproveitar a luz natural para um melhor aproveitamento da energia", informou em nota à imprensa o secretário de Energia Elétrica do Ministério de Minas e Energia, Fábio Alves.

O fim do horário de verão levará o Metrô a estender o horário de operação. A companhia informou que os passageiros poderão embarcar até a 1h do horário novo (2h do horário antigo) nas Linhas 1-Azul, 2-Verde, 3-Vermelha e 4-Amarela. Nas Linhas 5-Lilás e 15-Prata, as estações permanecerão abertas até a meia-noite do novo horário.

O fim do horário diferenciado dos últimos cinco meses leva a insatisfações de alguns e comemoração de outros. Para o auxiliar de manutenção Paulo Cristiano, de 25 anos, atrasar o relógio amanhã será motivo de tristeza. "Adoro porque me permitia sair do serviço e ainda ver o sol. Passa a impressão de que o dia rende mais", disse. "Agora, volta o martírio", brincou.

Sol. A analista Karine Rocha, de 36 anos, também disse gostar do horário de verão. Com uma hora a mais neste sábado, ela disse que aproveitará para descansar. É o mesmo que vai fazer o frentista Wagner Meireles, de 32 anos. Ao contrário de Karine, ele está comemorando o ajuste dos ponteiros. "Trabalhar a essa hora e ainda com um sol escaldante torna tudo mais difícil. No horário comum, já estaria escurecendo e estaria mais agradável", disse às 19 horas de ontem, quando o sol ainda brilhava forte, no que foi até o momento o dia mais quente do ano: 33,1 ºC, segundo o Instituto Nacional de Meteorologia.

Para um terceiro grupo, as mudanças são vistas com indiferença. "Minha mulher até fala que o horário de verão atrapalha o sono e a alimentação dela. Mas para mim não há a menor diferença", disse o taxista Paulo Cesar Pimentel, de 70 anos.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos