Em nota, FHC diz que Aécio não fez pedido de doação para caixa 2 para aliados

Ricardo Brito

Brasília

  • Twitter Aécio Neves/Divulgação

    Ex-presidente da República e presidente de honra do PSDB, FHC, saiu em defesa do senador Aécio Neves

    Ex-presidente da República e presidente de honra do PSDB, FHC, saiu em defesa do senador Aécio Neves

O ex-presidente da República e presidente de honra do PSDB, Fernando Henrique Cardoso, divulgou nesta sexta-feira (3) uma nota oficial em que sai em defesa do atual comandante do partido, o senador Aécio Neves (MG). O tucano disse lamentar que haja uma estratégia usada por adversários da legenda de difundir "notícias alternativas" de modo a confundir a opinião pública.

FHC disse que parte do noticiário do dia sobre os depoimentos de executivos da Odebrecht "serve de alerta". Segundo ele, ao invés de se dar ênfase à afirmação de Marcelo Odebrecht de que doações à campanha presidencial de Aécio em 2014 foram feitas oficialmente, publicou-se a partir de outro depoimento que o senador teria pedido doações de caixa dois para aliados.

"O senador não fez tal pedido. O depoente não fez tal declaração em seu depoimento ao TSE", disse o ex-presidente. "É preciso serenidade e respeito à verdade nessa hora difícil que o país atravessa", completa.

FHC disse que no importante debate travado no país é preciso se fazer distinções. "Há uma diferença entre quem recebeu recursos de caixa dois para financiamento de atividades político-eleitorais, erro que precisa ser reconhecido, reparado ou punido, daquele que obteve recursos para enriquecimento pessoal, crime puro e simples de corrupção", avaliou.

Para o ex-presidente, divulgações "apressadas e equivocadas agridem a verdade, e confundem os dois atos, cuja natureza penal há de ser distinguida pelos tribunais". "A palavra de um delator não é prova em si, apenas um indício que requer comprovação. É preciso que a Justiça continue a fazer seu trabalho, que o país possa crer na eficácia da lei e que continue funcionando", ponderou.

FHC disse que a desmoralização de pessoas a partir de "verdades alternativas" é injusta e não serve ao País, pois confunde tudo e todos. Ele conclui ser a hora de continuar a dar apoio ao esforço moralizador das instituições de Estado e deixar que elas, criteriosamente, façam Justiça.

Depoimentos

O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) começou a ouvir nesta semana depoimentos de executivos e ex-executivos da Odebrecht que assinaram acordo de delação premiada na Operação Lava Jato. Eles foram chamados porque o conteúdo de suas delações na força-tarefa mencionaram contribuições - legais e ilegais - para as campanhas eleitorais de 2014. O Tribunal julga uma ação impetrada pelo PSDB para apurar irregularidades na chapa Dilma/Temer, que venceu a corrida presidencial.

Em seu depoimento na última quarta-feira (1º), conforme fontes ouvidas pelo jornal Estado de S. Paulo, o ex-presidente da empresa, Marcelo Odebrecht, afirmou que o senador Aécio Neves teria pedido a ele R$ 15 milhões no final do primeiro turno da campanha de 2014. Marcelo disse que, inicialmente, negou o pedido do tucano, afirmando que o valor era muito alto, mas que o senador teria sugerido como "alternativa" que os pagamentos fossem feitos aos seus aliados políticos. O empresário não informou se a doação foi feita legalmente ou via caixa 2. O PSDB, em nota, disse que a doação foi legal.

Já na quinta-feira (2), em outro depoimento, o ex-presidente da construtora Benedicto Júnior disse, segundo fontes ouvidas pelo Estado de S. Paulo, que na campanha de 2014 repassou R$ 9 milhões a políticos do PSDB e do PP e ao marqueteiro tucano a pedido do então candidato à presidência Aécio Neves. Segundo Benedicto, a doação foi feita via caixa 2. Ele não disse que se encontrou ou se tratou pessoalmente com Aécio sobre as doações. Tanto o presidente do partido quanto a legenda negam qualquer irregularidade.

O conteúdo do depoimento de Marcelo Odebrecht e de outros delatores da empresa está sob sigilo. A versão oficial só será divulgada pelo TSE após o STF (Supremo Tribunal Federal) liberar o conteúdo das 77 delações de ex-executivos da Odebrecht, homologadas pela Justiça em janeiro. A ação pode levar à perda de mandato do presidente Michel Temer (PMDB).

Leia a íntegra da nota de FHC:

"Lamento a estratégia usada por adversários do PSDB que difundem 'noticias alternativas' para confundir a opinião pública.

A imprensa é instrumento fundamental da democracia. Usada por quem não é criterioso presta um mau serviço ao País.

Parte do noticiário de hoje sobre os depoimentos da Odebrecht serve de sinal de alerta. Ao invés de dar ênfase à afirmação feita por Marcelo Odebrecht, de que as doações à campanha presidencial de Aécio Neves, em 2014, foram feitas oficialmente, publicou-se a partir de outro depoimento que o senador teria pedido doações de caixa dois para aliados.

O senador não fez tal pedido. O depoente não fez tal declaração em seu depoimento ao TSE.

É preciso serenidade e respeito à verdade nessa hora difícil que o país atravessa.

Ademais, independentemente do noticiário de hoje tratar como iguais situações diferentes, não é o caminho para se conhecer a realidade e poder mudá-la.

Visto de longe tem-se a impressão de que todos são iguais no universo da política e praticaram os mesmos atos.

No importante debate travado pelo país distinções precisam ser feitas. Há uma diferença entre quem recebeu recursos de caixa dois para financiamento de atividades político-eleitorais, erro que precisa ser reconhecido, reparado ou punido, daquele que obteve recursos para enriquecimento pessoal, crime puro e simples de corrupção.

Divulgações apressadas e equivocadas agridem a verdade, e confundem os dois atos, cuja natureza penal há de ser distinguida pelos tribunais.

A palavra de um delator não é prova em si, apenas um indício que requer comprovação. É preciso que a Justiça continue a fazer seu trabalho, que o país possa crer na eficácia da lei e que continue funcionando.

A desmoralização de pessoas a partir de 'verdades alternativas' é injusta e não serve ao país. Confunde tudo e todos.

É hora de continuar a dar apoio ao esforço moralizador das instituições de Estado e deixar que elas, criteriosamente, façam Justiça.

Fernando Henrique Cardoso

Presidente de honra do PSDB"

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos