TSE intima ex-funcionário da Odebrecht que teria enviado R$ 4 mi a Yunes

Ricardo Galhardo

São Paulo

O ministro Herman Benjamin, relator no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) da ação que pede a cassação da chapa Dilma Rousseff/Michel Temer, determinou que o ex-funcionário da Odebrecht José de Carvalho Filho seja ouvido na sexta-feira.

José Filho foi citado no depoimento de Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da empreiteira, como responsável por operacionalizar o suposto repasse de R$ 4 milhões ao ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha. A remessa teria sido acertada durante jantar no Palácio do Jaburu, em 2014, do qual participou o então vice-presidente Michel Temer.

Citado 34 vezes na delação de Melo à Lava Jato, José Filho também seria o responsável pelo envio de valores ao ex-assessor especial da Presidência José Yunes por meio do operador Lucio Funaro. Em entrevistas Yunes admitiu ser servido de "mula involuntária" para Padilha ao receber um pacote que deveria ser entregue ao ministro.

Segundo pessoas que tiveram acesso ao depoimento de Melo ao TSE, o ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht disse que José Filho recebeu um telefonema em tom ríspido do então presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ), preso pela Lava Jato, cobrando R$ 1 milhão dos R$ 4 milhões destinados a Padilha. Claudio Melo disse, no depoimento ao TSE, ter informado Padilha sobre o telefonema e que o ministro disse que resolveria a questão pessoalmente com Cunha.

Também na sexta-feira o TSE fará uma acareação entre três testemunhas, o ex-presidente da empreiteira Marcelo Odebrecht, Melo Filho e Hilberto Mascarenhas Alves da Silva Filho, ex-funcionário da Odebrecht. O objetivo é esclarecer versões conflitantes sobre o jantar no Jaburu. Marcelo Odebrecht disse ao TSE que Temer deixou o jantar antes que fosse acertado o repasse de R$ 10 milhões ao PMDB, por meio de Padilha.

Já Claudio Melo reafirmou à Justiça Eleitoral o teor de sua delação na qual disse que Temer "solicitou direta e pessoalmente" ao ex-presidente da empreiteira apoio financeiro às campanhas do PMDB. A reportagem solicitou posicionamento à assessoria de Eliseu Padilha.

O conteúdo do depoimento de Claudio Melo está sob sigilo. A versão oficial só será divulgada pelo TSE após o STF (Supremo Tribunal Federal) liberar o conteúdo das 77 delações de ex-executivos da Odebrecht, homologadas pela Justiça em janeiro. A ação em curso no TSE foi aberta a pedido do PSDB contra a chapa Dilma/Temer. A ação pode levar à perda de mandato do presidente Michel Temer (PMDB).

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos