Serra rompeu com alinhamento ideológico, diz especialista

Lu Aiko Otta

Brasília

  • Andressa Anholete/AFP

    8.fev.2017 - José Serra no Palácio do Itamaraty, em Brasília

    8.fev.2017 - José Serra no Palácio do Itamaraty, em Brasília

Os nove meses de José Serra à frente do Itamaraty foram marcados pelo rompimento do alinhamento ideológico com os chamados "bolivarianos" e pela recolocação do Ministério das Relações Exteriores no centro da formulação da política externa, segundo avaliação de especialista ouvido pelo jornal "O Estado de S. Paulo".

"Ele corrigiu os rumos do governo anterior em relação ao Mercosul, particularmente pela incorporação artificial da Venezuela e o tratamento ríspido ao Paraguai", disse o embaixador José Botafogo Gonçalves, vice-presidente emérito do Centro Brasileiro de Relações Internacionais (Cebri). Durante a gestão de Serra na pasta, a Venezuela foi suspensa do bloco.

Serra entregou nesta terça-feira (7) o cargo ao senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP), após pedir demissão no último dia 22, alegando problemas de saúde. O ex-ministro foi submetido a uma cirurgia na coluna em dezembro e afirmou que não tinha condições de cumprir a agenda de viagens como chanceler.

Embora o Mercosul tenha começado a sair da "paralisia" - sobretudo nos temas da área comercial - na gestão do tucano, Botafogo Gonçalves afirmou que ainda há muito a avançar. Para o embaixador, o Mercosul deveria revisar "profundamente" seus objetivos. Segundo ele, o grupo deveria ser uma aliança de países que se complementam para "conquistar o mundo", principalmente na área de agronegócio, infraestrutura e energia. "Isso o Serra não fez, seja por motivos de saúde, seja porque não teve tempo", disse o embaixador.

Aloysio Nunes, que assumiu o Itamaraty nesta terça, viaja nesta quarta-feira (8) para a Argentina. Participará de uma reunião do Mercosul, bloco econômico ao qual prometeu dar "nova vida".

Estrutura

Outra mudança que promete render frutos é o reforço da área de comércio exterior na pasta. A incorporação da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex) pode ser considerada "histórica", conforme avaliou o ex-secretário da Câmara de Comércio Exterior (Camex) Roberto Giannetti da Fonseca, da consultoria Kaduna. Só no ano passado, foram realizadas 400 missões empresariais a diversos países.

Por outro lado, o presidente Michel Temer desistiu de uma mudança que havia feito na estrutura do Itamaraty para fortalecer seu braço de comércio exterior. A secretaria executiva da Camex, levada para a pasta por Serra, voltou para o Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviço (MDIC).

No tempo em que esteve no Itamaraty, a Camex buscou retomar seu papel de formulador de estratégia para a inserção do Brasil no comércio mundial.

Outra iniciativa que deve marcar a gestão do tucano é a criação do "grupo China", que coordena os diversos ministérios que mantêm diálogo com o parceiro, em áreas como exportação de alimentos e investimentos em infraestrutura.

O fortalecimento do diálogo com a China e outros parceiros como EUA, Europa e Japão foi uma das diretrizes do tucano, segundo especialistas. Sob Serra, a pasta obteve R$ 3 bilhões para pagar dívidas do País com organismos internacionais. (As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo")

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos