Para pressionar governo, Renan retira indicações de comissão do Orçamento

Erich Decat

Brasília

Contrariado com a possibilidade de o relator do projeto de Orçamento da União de 2017 ser do antigo Centrão da Câmara, ligado ao ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB), o líder do PMDB no Senado, Renan Calheiros (AL), decidiu retirar nesta quinta-feira, 6, as indicações do partido para a Comissão Mista do Orçamento (CMO). O alagoano chegou a indicar a senadora Rose de Freitas (PMDB-ES) para presidir o colegiado.

Por ser uma comissão mista, que conta com a participação de senadores e deputados, a CMO deverá ter como presidente um indicado do PMDB do Senado e, para a relatoria, um da maior bancada da Câmara.

Atualmente, o grupo que conta com o maior número de deputados é a bancada integrada por PP, PTN, PHS, PTdoB. Em razão disso, a indicação para a relatoria deveria ficar com o líder da bancada Arthur Lira (PP-AL), que integrou o grupo de Cunha, antes de o peemedebista ser preso na Operação Lava Jato. Além da relação com Cunha, Arthur é filho do senador Benedito de Lira (PP-AL), arquirrival de Renan no Estado de Alagoas.

Nos últimos dias, Renan junto com o presidente do PSDB, senador Aécio Neves (MG), teriam articulado nos bastidores para emplacar um tucano para assumir a relatoria da CMO. Em conversa com integrantes da bancada do PMDB na noite de quarta-feira, 5, Renan teria dito que o PSDB tem "quadros mais republicanos" para serem indicados para a função.

Segundo peemedebistas ouvidos pela reportagem, a iniciativa de retirar as indicações da bancada faz com que Renan e Aécio ganhem mais tempo para articular uma alternativa tucana e convoca o Palácio do Planalto a entrar na briga para se chegar a uma solução, uma vez que a paralisia na comissão não é de interesse do governo.

Além do fato de Renan ser contrário a uma indicação dos rivais alagoanos também teria pesado a posição contraditória da senadora Rose de Freitas sobre sua "parceria" com o alagoano. Segundo relatos, Renan desconfia que a senadora seja uma das que estão "plantando" a informação de que ele não tem maioria dentro da bancada.

Até o início da tarde, Rose não tinha conhecimento da decisão de Renan, em conversa com a reportagem chegou até a comentar sobre os próximos passos que daria na CMO. "Eu ainda preciso tomar pé de como estão as coisas por lá. Devo fazer isso na próxima semana", afirmou.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos