Operação Lava Jato

Temer não afastará ninguém neste momento

Vera Rosa e Tânia Monteiro

Em Brasília

  • REUTERS/Adriano Machado

    Moreira Franco (à dir.) é um do ministros de Temer que será investigado

    Moreira Franco (à dir.) é um do ministros de Temer que será investigado

O presidente Michel Temer já sabia que os pedidos de investigação autorizados pelo relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), Edson Fachin, atingiriam oito de seus 28 ministros. Com isso, preparou com antecedência a estratégia de redução de danos para enfrentar o agravamento da crise. Na tentativa de proteger o governo, Temer pediu aos auxiliares que preparem suas defesas e não se manifestem antes de conhecerem o conteúdo das delações da Odebrecht.

Por enquanto, o presidente não fará demissões na equipe, mas não esconde a preocupação com o que está por vir. Se algum dos ministros for denunciado, será afastado temporariamente e, se virar réu, terá de deixar o cargo.

A linha de corte foi definida em fevereiro. Na lista de Fachin estão os dois mais próximos ministros de Temer: Eliseu Padilha, chefe da Casa Civil, e Moreira Franco, da Secretaria-Geral da Presidência. Trata-se do coração do governo.

Desgaste

Em conversas reservadas, auxiliares do presidente avaliam que o desgaste ainda vai aumentar. Há receio de que o ambiente conturbado provoque instabilidade política, afete a recuperação da economia e prejudique o andamento dos temas de interesse do Palácio do Planalto no Congresso, como as reformas da Previdência e trabalhista.

O novo adiamento da votação de ontem na Câmara para socorrer Estados endividados foi visto no Planalto como um sintoma da turbulência provocada pelos pedidos de investigação.

Embora Temer soubesse que uma bomba cairia sobre o Planalto com a abertura do sigilo das delações de ex-executivos da Odebrecht, a forma como a lista de investigados apareceu causou contrariedade no governo. A expectativa é de que os detalhes sejam conhecidos o mais breve possível para que se possa saber quem fez o quê.

"Todo mundo está sendo tratado da mesma forma e isso não está certo", disse um auxiliar de Temer, sob a condição de anonimato. "O que tem de sair é a conduta de cada um, o que cada um fez." Nos bastidores, assessores do presidente dizem ser preciso diferenciar "caixa 2" em campanhas eleitorais de recebimento de propina.

O governo havia sido informado que a abertura do sigilo das delações ocorreria após a Páscoa. Apesar de o número de ministros citados ser conhecido, Temer ficou surpreso com a quantidade de senadores envolvidos: 24 dos 81. Questionados sobre o impacto das investigações sobre a base aliada do governo no Congresso, assessores do presidente faziam questão de citar os petistas da lista de Fachin.

As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos