Tribunal avalia procedimento que envolve Dilma

Breno Pires, Julia Affonso, Fabio Fabrini e Fábio Serapião

Brasília

O ex-diretor de relações institucionais da Odebrecht Alexandrino Alencar afirmou que pagou "vantagens indevidas, não contabilizadas" à campanha eleitoral de Dilma Rousseff à Presidência da República em 2014. Segundo o delator, os repasses "foram implementados por intermédio do assessor Manoel Araújo Sobrinho e a pedido de Edinho Silva".

Atual prefeito de Araraquara, no interior de São Paulo, Edinho Silva foi o tesoureiro da campanha de reeleição de Dilma em 2014. Ele tem negado irregularidades e afirmado que todas as doações de campanha foram legais e declaradas à Justiça Eleitoral.

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pediu que a investigação seja remetida à Procuradoria Regional da República da 3.ª Região. Edinho tem prerrogativa de foro perante o Tribunal Regional Federal da 3ª Região.

Fachin determinou o levantamento do sigilo da investigação e mandou enviar cópia do relato do delator Alexandrino de Salles Ramos de Alencar e documentos apresentados ao TRF-3 e à Procuradoria Regional da República.

Em depoimento prestado ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) no mês passado, o da Odebrecht Alexandrino Alencar disse que a empreiteira pagou um total de R$ 21 milhões em dinheiro vivo a três partidos políticos para comprar tempo de TV para a chapa formada por Dilma e Michel Temer.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos