Em vídeo, alunas da Poli-USP questionam machismo na universidade

Anita Efraim, especial para o Estado

No último dia 7, alunas da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo publicaram um vídeo para uma competição da faculdade de Engenharia da USP. O IntegraPoli tem várias missões a serem cumpridas e, entre elas, havia a tarefa de fazer uma versão própria do clipe Survivor, de Clarice Falcão.

Gabriela Menin, aluna do quarto ano da Poli, explica que as meninas da Engenharia Civil aproveitaram a oportunidade para trazer a temática do machismo que vivem no dia a dia. "Foi muito fácil reunir porque muitas meninas ficaram interessadas, todo mundo tinha uma história de discriminação de gênero", afirma. Ela explica que cada uma trouxe objetos e experiência vividas, o que tornou o vídeo muito sincero. A produção foi feita e editada por alunas.

Tanto Gabriela quanto Renata Stabenow, que está no último ano da faculdade, afirmam ter ficado surpresas com a repercussão. No YouTube são mais de 140 mil visualizações, além de inúmeros compartilhamentos em páginas no Facebook.

"Estamos bastante chocadas com tanta repercussão, não imaginávamos", admite Renata. "Estamos muito felizes por isso chegar nas pessoas, delas abrirem a mente, enxergarem o que é e como está posicionada a mulher como engenheira na sociedade." Com a paródia, elas ganharam o prêmio de melhor vídeo do IntegraPoli.

"Recebemos muito feedback, inclusive de colegas que disseram que nunca pararam para pensar nisso, que ser mulher dentro da Poli não deve ser fácil", afirmou Gabriela.

Renata reconhece o apoio interno na Poli, mas afirma que leu comentários desagradáveis e machistas sobre o vídeo nas redes sociais.

Cotidiano

"O fato de ter menos mulheres já faz com que o ambiente seja majoritariamente masculino", diz Renata ao explicar por que considera a Poli um ambiente machista. "Os homens dominam aquele espaço. Nós [mulheres] tentamos nos impor desde que entramos até o minuto que saímos".

A aluna do último ano dá exemplos da cultura machista que há dentro da faculdade, como brincadeiras na semana de integração que objetificam mulheres. Uma delas, de quando Renata entrou na faculdade, era fazer com que as meninas, vestindo roupas brancas, lavassem um carro.

Para Gabriela, o que mais incomoda é o machismo velado. "Às vezes em um trabalho em grupo, em uma reunião, percebo que minha opinião conta menos por ser mulher, que alguns professores esperam menos de mim e de outras meninas e ficam surpresos quando trazemos um trabalho muito bom", relata.

Para as duas alunas, a cultura machista e os comentários maldosos do dia a dia só vão mudar com a conscientização das pessoas. E esse é o principal objetivo do vídeo produzido por elas.

"Acho que em todas as áreas as mulheres sofrem preconceito por se esperar menos de uma mulher", opina Gabriela. "Infelizmente, nós temos de provar duas vezes, três vezes que você é capaz, coisa pela qual os homens não passam."

Renata concorda e complementa: "Ser mulher dentro da Poli é uma resistência diária. Se impondo, tirando boas notas, mostrando para as pessoas que você tem capacidade e não é só um rostinho bonito. Você está lá para estudar e cumprir seu papel."

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos