Caça irregular e desmate avançam sobre terra demarcada

Atalaia do Norte, Tabatinga e Benjamin Constant (AM)

Na mata fechada da fronteira entre o Brasil e o Peru caçadores sobem pelos rios carregados de armas de grosso calibre e freezers amarrados dentro de embarcações.

Nas trilhas usadas pelos indígenas, a reportagem encontrou cartuchos de espingarda calibre 16 pendurados em tocos, para demarcar o local de passagem. A caça ali é profissional e predatória --caçadores matam macacos, veados, antas e caititus para revender nas cidades.

A indústria madeireira também marca presença, atrás de espécies nobres como a sumaúma. Do Peru, balsas sobem com guindastes que puxam os troncos com cabos de aço. Com serras, a madeira é "limpada", para correr rio abaixo. Quando os troncos chegam ao ponto do rio que não está mais dentro da terra indígena são amarrados e recolhidos por empresas peruanas.

Em fevereiro, uma dessas ações foi alvo de operação de Funai, Ibama, Exército, PF e PM. Um peruano conduzia uma jangada com 432 toras pelo Javari. Ele portava papéis falsos. A madeira foi apreendida e o homem, multado em R$ 130,5 mil. As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos