'Tudo conduz à necessidade da manutenção da prisão de Dirceu', diz subprocurador

Breno Pires, Rafael Moraes Moura e Beatriz Bulla

Brasília

Na sessão de julgamento de pedido de liberdade do ex-ministro José Dirceu, o subprocurador-geral da República, Edson Oliveira de Almeida, afirmou que "a prisão preventiva é necessária pela notória periculosidade de Dirceu" e que "tudo conduz à necessidade da manutenção da prisão de Dirceu".

Representante da Procuradoria-Geral da República (PGR) no julgamento, Edson Oliveira de Almeida afirmou que a "reiteração delitiva" (continuidade a cometer crimes) é o principal fundamento para a manutenção da prisão preventiva. E que a condenação do petista no processo do Mensalão (Ação Penal 470) fragiliza a presunção da inocência e é um argumento para a manutenção da prisão preventiva que ele cumpre desde agosto de 2015.

"A presunção de inocência fica fragilizada pelo advento da sentença condenatória, fragiliza essa presunção de inocência e a prisão preventiva é necessária pela notória periculosidade do paciente", afirmou o subprocurador-geral da República.

"Pelo gigantismo, pela magnitude do prejuízo, dos atos de corrupção, é inegável a magnitude do caso, isso certamente conduz ao reconhecimento da razoabilidade que aqui permite esse alargamento do prazo da prisão preventiva. Muito mais quando ela já está confirmada pela sentença condenatória", acrescentou Edson Oliveira de Almeida.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos