Eleições 2018

Temer diz que já cumpriu seu papel e promete deixar a vida política após 2018

Daniel Weterman

Em São Paulo

O presidente Michel Temer (PMDB) afirmou que não pretende continuar na vida política após terminar o mandato, em 2018. E também reforçou que não pretende concorrer a um novo mandato presidencial. "Aposentar-me nunca, jamais, mas eu não tenho intenção de continuar a atividade política, já cumpri meu papel", afirmou em entrevista à RedeTV! gravada na última terça-feira (2) e exibida na noite desta quinta-feira(4).

Temer voltou a dizer que espera aprovar as reformas até o fim do mandato. "Só espero que as reformas deem certo e que não haja necessidade de pedirem para eu continuar", disse.

O presidente afirmou ainda que acredita não ter errado durante seu mandato, que assumiu após o afastamento da petista Dilma Rousseff, em maio de 2016. "É possível que eu tenha errado aqui e acolá, mas não sinto que tenha errado", disse. Temer falou que, se cometeu erros, foram acidentais e não propositais.

Mal nas pesquisas

A impopularidade do governo Temer cresceu e já é comparável à de Dilma às vésperas da abertura do processo de impeachment que acabou por cassá-la em 2016.

Segundo pesquisa do Datafolha divulgada no último domingo (30), a gestão do peemedebista tem 61% de avaliação ruim ou péssima, com 28% a considerando regular e apenas 9%, ótimo ou bom.

Na mesma pesquisa, o Datafolha fez simulações de primeiro turno para eleição presidencial de 2018. Nos três cenários em que aparece, Temer não passa do 2% das intenções de votos. O presidente também aparece com a maior rejeição, 64% dizem que não votariam nele.

Temer garante que nunca recebeu oferta de caixa 2

'Distritão'

Na entrevista à RedeTV!, o presidente da República defendeu a implantação do chamado 'Distritão" para as eleições de 2018, em que os Estados são divididos em distritos e os eleitores escolhem seus representantes através do voto distrital majoritário.

Para 2022, Temer defendeu que seja implantado o voto distrital misto, em que metade dos parlamentares é eleita por uma lista ordenada pelo partido e outra metade pelo voto majoritário nos distritos.

Temer disse que as empresas contribuíram "indistintamente" para as campanhas em eleições passadas e que vai ser muito difícil resolver o problema do financiamento eleitoral no próximo pleito. O presidente afirmou na entrevista que vai auxiliar o Congresso para fazer uma reforma política.

"Recolhi um valor insignificante para a campanha de 2014"

Temer defendeu a tese de separação das contas de campanha e disse que espera ter uma decisão favorável no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) que o mantenha no cargo. Ele corre o risco de sair do cargo caso a Corte decida pela cassação da chapa eleita em 2014.

"O que eu recolhi foi o mínimo, foi uma coisa insignificante tendo em vista o montante da campanha", disse o presidente. Ele falou que defende um julgamento rápido do processo. "É preciso acabar com isso. Quando antes julgar, melhor."

Temer disse que, se houver uma cassação, Dilma e ele vão recorrer da decisão primeiro no TSE e depois no Supremo Tribunal Federal (STF). O presidente afirmou que o STF poderá revisar a decisão da corte eleitoral.

Cunha mentiu, diz Temer

O presidente disse ainda que o ex-deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ), preso em Curitiba, mentiu ao falar que Temer convocou diretamente a reunião com um executivo da Odebrecht em 2010.

"Lamento dizer que ele [Eduardo Cunha] se equivocou mentirosamente". O presidente afirmou também que não teme uma delação do ex-deputado. "Eu espero que ele seja feliz judicial e pessoalmente."

Delatores da empreiteira dizem que o encontro serviu para negociar propina da empresa para o PMDB. Temer afirmou que o encontro serviu apenas para um executivo "apertar a mão" dele porque tinha a intenção de contribuir para a campanha, mas que o assunto não foi tratado no encontro.

"Não se tratou desse assunto [propina], nem chegou a tratar de colaboração oficial". O peemedebista afirmou que ficou 15 minutos no encontro e que os presentes falaram sobre "generalidades".

Caixa 2

Temer alegou que nunca teve contato com caixa 2 ou propina. Ele também destacou que as duas coisas são tipificadas separadamente, mas que ele não sabe como a Justiça vai fazer essa distinção nos julgamentos. O peemedebista enfatizou que não há classificação de caixa 2 como crime na legislação atual.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos