'Não quero ser julgado por convicções, mas por provas', diz Lula em ato

Mateus Fagundes e Daniel Weterman, enviado especial

São Paulo e Curitiba

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva reafirmou na noite desta quarta-feira, 10, o desejo de ser candidato à Presidência da República e que acredita que o julgamento dele não deve ser feito somente pela Justiça, mas também nas urnas.

"Eu não quero ser apenas julgado pela Justiça. Quero antes ser julgado pelo povo brasileiro", afirmou o ex-presidente, em ato favorável a ele realizado em Curitiba. "Não quero ser julgado por convicções, mas por provas."

Lula participou do protesto logo após o depoimento ao juiz Sergio Moro, da Operação Lava Jato. A suspeita é que o petista seja o verdadeiro dono do tríplex do Guarujá (SP). Os questionamentos ao ex-presidente duraram cerca de cinco horas.

"Eu quero respeito às leis e em troca quero respeito", afirmou, em referência ao juiz Moro. "Se tem um brasileiro em busca da verdade, sou eu. Virei a quantas audiências forem necessárias."

O ex-presidente também deu a sua versão para o depoimento. De acordo com Lula, ele esperava que "acusadores mostrassem algum documento de que eu seria o dono do apartamento". "Mas eles perguntaram se eu conheço (Candido) Vaccari e Paulo Okamotto, e não tenho vergonha deles", afirmou.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos