Procuradoria decide não punir mulher de Cabral por movimentação bancária

Constança Rezende e Mariana Sallowicz

Rio

  • Armando Paiva/AGIF

    29.mar.2017 - Ex-primeira-dama Adriana Ancelmo chega ao seu prédio para cumprir prisão domiciliar após deixar Bangu, onde estava presa desde dezembro de 2016

    29.mar.2017 - Ex-primeira-dama Adriana Ancelmo chega ao seu prédio para cumprir prisão domiciliar após deixar Bangu, onde estava presa desde dezembro de 2016

O procurador Rodrigo Timóteo afirmou, nesta terça-feira, 16, que não fará representação contra a ex-primeira-dama do Estado, Adriana Ancelmo, contra uma movimentação no valor de R$ 1,2 milhão, resgatado de um fundo de previdência privada pela advogada. Havia suspeita de que ela teria resgatado o valor já presa, o que poderia a levar de volta ao sistema carcerário. Atualmente, ela está em prisão domiciliar.

"Não detectamos irregularidades nessa transação. Vimos que ela foi feita em dezembro do ano passado e não vamos entrar como um novo pedido de prisão contra ela por esse motivo", disse o procurador em entrevista coletiva no Ministério Público Federal (MPF).

A defesa de Adriana justificou à Justiça que os resgates feitos em aplicação de previdência privada em benefício de um de seus filhos ocorreram antes "à concreta efetivação" da ordem de bloqueio nas suas contas. Também negam que ela tenha feito a movimentação após ser presa.

Em documento entregue à 7.ª Vara Federal Criminal do Rio, os advogados dizem que o bloqueio foi determinado no dia 6 de fevereiro, mas o cumprimento da ordem ocorreu no dia 9 do mesmo mês. O resgate de R$ 1,21 milhão foi creditado na conta de Adriana no dia seguinte à determinação do bloqueio. No entanto, os advogados alegam que a baixa pelo gerente deve se dar com cinco dias de antecedência. Ou seja, teria sido anterior ao bloqueio.

Os advogados dizem que o segundo resgate foi programado no mesmo momento da primeira ordem. Teria sido pedido à gerente que a segunda quantia fosse creditada, automaticamente, quando os recursos da primeira estivessem acabando.

"O valor da segunda baixa (R$ 1,21 milhão) sequer chegou a ser utilizado, uma vez que o bloqueio efetivado em 9 de fevereiro acabou por incidir sobre a conta corrente de Adriana Ancelmo", dizem na petição.

No depoimento, Adriana disse que o dinheiro foi usado para pagamentos de honorários advocatícios dos profissionais que a defendem, além de dívidas com funcionários e outras despesas pessoas.

Adriana é ré por corrupção e lavagem de dinheiro do esquema de corrupção que seria liderado pelo seu marido, o ex-governador Sérgio Cabral do Rio (PMDB).

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos