Jungmann diz que decreto que pôs Exército na Esplanada não é inconstitucional

Caio Rinaldi e Renata Pedini

São Paulo

O decreto de Garantia da Lei e da Ordem (GLO) baixado pelo Presidente Michel Temer, em função do confronto entre manifestantes e forças de segurança na Esplanada dos Ministérios nesta quarta-feira, deve durar entre 24 horas e 48 horas, afirmou o ministro da Defesa, Raul Jungmann à rádio Estadão.

Foram deslocados 1.400 homens hoje, para garantir a segurança em torno dos prédios dos ministérios, Planalto, Congresso e Supremo Tribunal Federal. A avaliação foi passada pelo ministro após ser questionado sobre a extensão da determinação, prevista para durar até 31 de maio.

O ministro afirmou que a decisão, tomada pelo presidente, ocorreu a partir de uma solicitação do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia. O parlamentar, entretanto, relatou durante sessão na Câmara que havia solicitado o envio de tropas da Força Nacional de Segurança, e não das Forças Armadas.

"Não há nada de excepcional ou inconstitucional no decreto da GLO", disse Jungmann, desmentindo a tese de que estaria em curso uma tomada do poder por militares.

O Palácio do Planalto está monitorando as manifestações, consideradas preocupantes pelo ministro em virtude da escalada. "A determinação do presidente é de que desordem não será aceita", disse. Para ele, as demonstrações desta quarta-feira "ferem a democracia".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos