Defesa de Dilma defende que depoimento de delatores não pode ser considerado

Isadora Peron e Breno Pires

Brasília

O advogado de defesa da ex-presidente Dilma Rousseff, Flávio Caetano, chegou neste início de noite de terça-feira, 6, ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e defendeu que os depoimentos dos empresários da Odebrecht e dos publicitários João Santana e Mônica Moura não sejam levados em conta no julgamento.

Esse é um tema das preliminares apresentadas pela defesa, que alega que os fatos não constavam na alegação inicial apresentada em 2015 pelo PSDB e, por isso, não poderiam ser incluídos no processo.

Caetano afirmou que não sabe em que momento essas questões serão julgadas no plenário, se antes ou durante o mérito. Isso vai depender do rito adotado pelo presidente do TSE, ministro Gilmar Mendes.

O advogado também defendeu que "não houve irregularidades" durante a campanha de 2014 e afirmou que a crise política envolvendo o atual presidente Michel Temer não deve influenciar "em nada" o julgamento. "O TSE é um tribunal técnico, acostumado à pressão política", disse.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos