Um planeta quente como as estrelas

Fábio de Castro

São Paulo

Cientistas descobriram o exoplaneta gigante mais quente já registrado. Com temperaturas que superam os 4,3 mil graus Celsius, o novo exoplaneta - como são chamados os planetas existentes fora do Sistema Solar - é mais quente que a maioria das estrelas e apenas mil graus Celsius mais frio que o Sol.

O calor extremo do novo planeta é causado pela radiação ultravioleta de sua estrela-mãe, batizada de Kelt-9, que tem o dobro do tamanho e da temperatura do Sol. O exoplaneta está tão próximo de sua estrela que dá uma volta completa nela em apenas 36 horas. Com uma massa 2,8 vezes maior que a de Júpiter, o exoplaneta tem apenas a metade de sua massa, pois que sua atmosfera incha como um balão, segundo os cientistas.

"Trata-se de um planeta, por qualquer uma das definições típicas com base na massa, mas sua atmosfera é provavelmente muito diferente da que já encontramos em qualquer outro, por causa de sua temperatura", disse o autor principal do estudo, Scott Gaudi, da Universidade Estadual de Ohio.

Segundo Gaudi, a descoberta é útil para estudar como os planetas morrem. A radiação ultravioleta que chega ao novo exoplaneta é tão intensa que poderá fazer com que ele literalmente evapore no futuro, o que formaria no entorno uma cauda semelhante à de um cometa. Mas, caso ele possua um núcleo rochoso, poderá tornar-se um pequeno planeta estéril e quente, como Mercúrio. Outra possibilidade é que, por causa da proximidade com a Kelt-9, ele acabe tragado pela estrela, caso ela comece a se expandir. "A Kelt-9 deverá se expandir e se tornar uma gigante vermelha em cerca de 1 bilhão de anos", disse Gaudi. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos