Encontrado no Marrocos, o mais antigo fóssil humano tem 300 mil anos

Fábio de Castro

São Paulo

As evidências fósseis mais antigas de representantes da espécie humana foram descobertas por cientistas no Marrocos e revelam que o Homo sapiens já se espalhava por toda a África há 300 mil anos. A descoberta histórica, publicada nesta quarta-feira, 7, na revista Nature, aumenta em pelo menos 100 mil anos a existência comprovada de humanos na Terra.

Até agora, o registro do mais antigo fóssil da espécie era um esqueleto de 195 mil anos, desenterrado em 1967 em Omo Kibish, na Etiópia.

De acordo com os autores do estudo, a descoberta revela que a espécie humana tem uma história evolutiva muito mais complexa do que se imaginava, envolvendo todo o continente africano.

"Acreditávamos que o berço da humanidade havia sido o leste da África, há 200 mil anos, mas nossos novos dados revelam que o Homo sapiens já havia se espalhado por todo o continente há cerca de 300 mil anos", disse o paleoantropólogo Jean-Jacques Hublin, do Instituto Max Planck de Antropologia Evolutiva (Alemanha), que liderou a equipe internacional responsável pelos estudos.

Os fósseis foram desenterrados em Jebel Irhoud, no oeste do Marrocos. Na década de 1960, haviam sido encontrados no local seis fósseis humanos e diversos artefatos da Idade da Pedra, mas a datação dos fósseis ainda permanecia incerta. Um novo projeto de escavação em Jebel Irhoud, iniciado em 2004, revelou 16 novos fósseis de Homo sapiens, envolvendo crânios, dentes e ossos longos de pelo menos cinco indivíduos.

Os cientistas conseguiram definir a idade dos fósseis graças às novas tecnologias. Eles utilizaram um método de datação por termoluminscência em pedras de sílex encontradas nos mesmos depósitos. Além disso, eles aprimoraram as técnicas de ressonância paramagnética eletrônica para refazer o cálculo direto da idade de três mandíbulas de Jebel Irhoud, que anteriormente havia sido estimada em 160 mil anos.

Arcaico

Utilizando microtomografias computadorizadas e análises estatísticas morfológicas com base em centenas de medições 3D, os cientistas mostraram que os fósseis de Jebel Irhoud têm rostos e dentes semelhantes aos dos humanos modernos. A caixa craniana, porém, tem ainda um formato arcaico, mais alongado que o do homem atual.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos