Herman diz que 'gordura acumulada' por partidos afetou equilíbrio da disputa

Thiago Faria, Renan Truffi e Anne Warth

Brasília

O ministro Herman Benjamin, relator da ação que pede a cassação da chapa de Dilma Rousseff e Michel Temer no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), apontou a existência de uma espécie de "poupança de propina" por partidos para obter vantagem nas eleições de 2014. A afirmação se deu em meio à apresentação de seu voto no processo, no qual a coligação que incluía PT e PMDB abusou de poder político e econômico para vencer a disputa.

O ponto de vista de Herman é de que, apesar de a Operação Lava Jato apontar o pagamento de propina para diversos partidos, PT e PMDB, partidos de Dilma e Temer, obtiveram vantagem por ter uma espécie de "gordura acumulada". "Não se pensa por um segundo sequer que isso foi criação desses partidos políticos ou seus integrantes", disse.

"Não é possível definir o momento exato em que os esquemas retratados se inicializaram ou se encerraram, se é que isso ocorreu", disse. "É evidente que o partido com gordura sairá com ampla vantagem. Não se está, claro, afirmando, que somente esses partidos utilizaram os recursos ilícitos."

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos