Governistas impedem apreciação da PEC das Eleições Diretas na CCJ da Câmara

Daiene Cardoso

Brasília

Em obstrução, a base governista impediu o avanço na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara da discussão sobre a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que estabelece eleições diretas no País. Com receio de não ter votos suficientes para barrar a PEC, a base aliada veio munida de uma série de requerimentos e não houve tempo para o debate de mérito na manhã desta terça-feira, 13.

De autoria do deputado Miro Teixeira (Rede-RJ), a PEC propõe eleições no caso de vacância da Presidência da República, exceto nos seis últimos meses do mandato. Desde que a crise política se agravou com a divulgação da delação premiada do empresário Joesley Batista, da JBS, em meados de maio, a oposição tenta votar a PEC na CCJ. Sob pressão dos oposicionistas, o presidente da comissão, Rodrigo Pacheco (PMDB-MG), cedeu e marcou a sessão exclusiva para hoje, contrariando os governistas.

A sessão começou por volta das 10h45 e os governistas já anunciaram o "kit obstrução". "Obstrução sim para o Brasil continuar crescendo em paz", alegou o vice-líder do governo, Darcísio Perondi (PMDB-RS). Perondi acusou a oposição de querer "colocar fogo no País" e impedir a retomada do crescimento econômico. "Eleição direta agora é querosene puro", completou.

Os governistas conseguiram manter as duas horas de sessão apenas na discussão de um requerimento de inversão de pauta, mas não houve quórum para a conclusão da votação. O comportamento da base aliada irritou os oposicionistas. "A posição da oposição fica muito clara em não querer debater", reclamou o deputado Júlio Delgado (PSB-MG).

Ciente de que enfrentaria uma forte obstrução, a oposição veio munida de placas de protesto com os dizeres: "Vampiro teme a luz, corrupto teme diretas", "fujões apareçam para o debate" e "governistas fogem do debate!". O deputado Alessandro Molon (Rede-RJ) disse que a única forma de pacificação do País é devolver ao eleitor o direito de escolher o substituto de Michel Temer. "Vamos continuar insistindo nessa comissão para que essa PEC seja apreciada", avisou Molon.

O presidente da CCJ, Rodrigo Pacheco (PMDB-MG), se comprometeu em retomar a discussão da PEC na próxima semana. O peemedebista avisou que o tema será item único da sessão.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos