Moraes vota por manter Fachin como relator da delação da JBS

Rafael Moraes Moura, Breno Pires, Isadora Peron e Beatriz Bulla

Brasília

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), votou nesta quarta-feira, 21, a favor da manutenção do ministro Edson Fachin como relator da delação do grupo J&F, dono da JBS. Moraes também acompanhou o entendimento de Fachin de que o relator pode de maneira monocrática homologar um acordo de colaboração.

"Não pode o Poder Judiciário substituir a opção lícita, válida, substituir aquele acordo de vontades entre o Ministério Público e do outro lado o colaborador", disse Moraes.

O ministro, no entanto, ressaltou que, no momento da sentença final, "nada impede de se reanalisar o conjunto probatório". "A colaboração não é meio de prova, mas as provas por elas produzidas vão ser analisadas, como na verdade todos os magistrados fazem", ressaltou Moraes.

"Nesse momento da homologação, que é uma homologação formal, não significa ficar batendo carimbo. É analisar os requisitos. Só que óbvio que alguns requisitos não são possíveis de análise naquele momento. Cada órgão julgador e o colegiado, no momento que vai formar sua convicção, nós analisamos todas as provas, e todas as formas de obtenção de prova, vale dizer, nenhum julgador no momento de absolver ou condenar, vai deixar de analisar a licitude das provas obtidas", acrescentou o ministro.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos