"Sempre pela garagem, viu?", recomendou Temer a Joesley

Julia Affonso, Luiz Vassallo e Fábio Serapião

  • Danilo Verpa/Folhapress

    Péricia deixou mais claros alguns trechos da conversa entre o empresário Joesley Batista e o presidente Temer

    Péricia deixou mais claros alguns trechos da conversa entre o empresário Joesley Batista e o presidente Temer

Um dos trechos da conversa entre o presidente Michel Temer (PMDB) e o empresário Joesley Batista, da JBS, na noite de 7 de março, no Palácio do Jaburu, recuperados pela Polícia Federal, revelou uma recomendação do peemedebista ao executivo: "Sempre pela garagem, viu?". A frase consta da perícia da PF, após o pente-fino sobre o arquivo em pendrive entregue como parte da delação de Joesley.

Naquela noite, Joesley e Temer se reuniram por cerca de 40 minutos. Na metade do encontro, o executivo diz ao presidente. "Eu, eu, prefiro combinar assim, ó: se for alguma coisa que eu precisar, tal, então eu falo com Rodrigo, se for algum assunto desse tipo aí…"

O 'Rodrigo' a quem Joesley se referia era o ex-assessor especial do presidente e ex-deputado federal Rodrigo Rocha Loures (PMRB-PR). Temer e seu aliado foram denunciados pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, por corrupção passiva.

A conversa segue.

Temer responde. "Ai você (ininteligível)."
"É…", diz Joesley.
Temer: "Pela garagem."
Joesley: "{Pela} garagem."
Temer: "(Ininteligível) sempre pela garagem, viu?"
Joesley: "Funcionou super bem, à noite …"
Temer: "É."
Joesley: "… onze hora da noite, meia-noite, dé … dez e meia, vem aqui."
Temer: "(Ininteligível). Não tem imprensa."
Joesley: "A gente conversa uns dez minutinho, uma meia horinha, vou embora."

Laudo

Em laudo de 123 páginas, os peritos criminais do Instituto Nacional de Criminalística (INC) concluíram que "não foram encontrados elementos indicativos" de que a gravação da conversa entre o empresário Joesley Batista e o presidente Michel Temer "tenha sido adulterada em relação ao áudio original, sendo a mesma consistente com a maneira em que se alega ter sido produzida".

O áudio foi utilizado entre as provas referidas pela PF para afirmar, no relatório final entregue ao Supremo nesta segunda-feira, 26, que houve o cometimento do crime de obstrução à investigação de organização criminosa por parte de Temer, do ex-ministro Geddel Vieira Lima e do empresário e delator do grupo J&F Joesley Batista. Também serviu de base para a denúncia apresentada pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, ao STF (Supremo Tribunal Federal), contra Temer e Loures por crime de corrupção passiva.

CONFIRA A ÍNTEGRA DA DENÚNCIA CONTRA TEMER

Defesa

Nesta segunda-feira, 26, o criminalista Antônio Cláudio Mariz de Oliveira reagiu com veemência às conclusões da Polícia Federal que, em relatório ao Supremo Tribunal Federal (STF), atribui ao presidente Michel Temer crime de obstrução de investigações sobre organização criminosa. "O valor jurídico do relatório é nenhum", declarou Mariz.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos