Juiz federal rejeita novo pedido de prisão contra Geddel

Breno Pires e Fábio Serapião

Brasília

O juiz titular da 10ª Vara Federal do Distrito Federal, Vallisney Oliveira, rejeitou um novo pedido de prisão do ex-ministro Geddel Vieira Lima que o Ministério Público Federal apresentou após o peemedebista ter a soltura determinada no Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1).

Nesta quinta-feira, 13, um dia após a decisão do desembargador Ney Bello, do TRF-1, pela soltura de Geddel, os procuradores Anselmo Lopes e Sara Moreira Leite haviam voltado a pedir a prisão, alegando que novos elementos colhidos na investigação mostram que Geddel cometeu os crimes de exploração de prestígio e tentou embaraçar às investigações. Os procuradores se basearam nos depoimento do corretor Lúcio Funaro e de sua esposa, Raquel Pitta. Os dois detalharam os contatos feitos pelo ex-ministro.

Ao decidir sobre o pedido, Vallisney de Oliveira disse que o desembargador Ney Bello já havia analisado o depoimento da mulher de Lúcio Funaro, Raquel Pitta. Assim, segundo Vallisney, uma "nova prisão cautelar, em exame a priori, afronta decisão do TRF-1". Fazendo também uma avaliação própria sobre o pedido, Vallisney afirmou que "os fatos apresentados pelo Ministério Público não são novos e, sim, fazem parte do contexto que levaram à concessão do habeas corpus".

Também nesta quinta-feira, o desembargador do TRF-1 determinou que o ex-ministro Geddel Vieira Lima fosse liberado da Penitenciária da Papuda mesmo sem tornozeleira eletrônica, diante da ausência do equipamento de monitoramento em Brasília. Geddel ficará em prisão domiciliar em Salvador.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos