Janot pede novo inquérito contra Fernando Bezerra Coelho no caso Odebrecht

Rafael Moraes Moura

Brasília

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) a abertura de um novo inquérito para investigar o senador Fernando Bezerra Coelho (PSB-PE) com base na delação da Odebrecht.

O senador já é investigado no âmbito da delação da Odebrecht em um outro inquérito, que apura as suspeitas de que o parlamentar recebeu uma soma de R$ 200 mil não contabilizados na campanha eleitoral de 2010. O dinheiro teria sido pago em duas parcelas, por meio do Setor de Operações Estruturadas do Grupo Odebrecht, conhecido como o departamento de propina da empreiteira.

No pedido encaminhado ao ministro Edson Fachin, do STF, na segunda-feira, 24, Janot menciona outras suspeitas, levantadas pelos executivos Carlos Fernando do Vale Angeiras e João Carlos Lyra Pessoa de Mello Filho, que firmaram acordo de colaboração premiada com o Ministério Público Federal.

De acordo com o procurador-geral da República, os dois delatores afirmaram que, durante a execução das obras do Cais V e do Píer Petroleiro no Porto de Suape, o senador Fernando Bezerra Coelho e o então governador de Pernambuco, Eduardo Campos, "foram beneficiados por propina paga pelas empreiteiras Odebrecht, OAS e Andrade Gutierrez".

Ao pedir a instauração do novo inquérito, Janot também solicitou a realização de novos depoimentos dos delatores e que o senador seja ouvido para apresentar sua versão dos fatos.

O relator do processo é o ministro Edson Fachin, que deverá decidir se atende ou não o pedido de Janot a partir de agosto, quando o STF retoma os trabalhos.

Defesa

Procurada pela reportagem, a defesa do senador Fernando Bezerra Coelho informou em nota que "desconhece o teor do pedido da PGR". Segundo a defesa do senador, os conteúdos das delações "são absolutamente inverídicos".

"O senador sempre trabalhou, única e exclusivamente, pelo desenvolvimento do país e do Estado de Pernambuco, e está à disposição para esclarecer quaisquer questões no devido momento processual", diz a nota.

A nota também afirma que "todas as doações feitas à campanha dele cumpriram rigorosamente a legislação e todas as contas foram devidamente apresentadas e aprovadas pela Justiça Eleitoral".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos