MPF diz que Moro foi 'incoerente' ao dar benefício de delator a executivos da OAS

A força-tarefa da Lava Jato criticou a decisão do juiz Sérgio Moro em recurso apresentado ao Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4)contra a sentença na qual o magistrado usou como parâmetro a delação premiada de Marcelo Odebrecht para conceder benefícios aos executivos da OAS Agenor Franklin Medeiros e Léo Pinheiro no processo envolvendo o caso triplex no Guarujá. Moro condenou Pinheiro.

Os procuradores da República disseram que a decisão foi "incoerente" e querem que a 8ª Turma do TRF-4 anule a progressão de pena para ambos após 2 anos e 6 meses de prisão. No lugar do benefício concedido por Moro, o MPF quer reduzir a pena dos empreiteiros pela metade.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos