SP rompe contrato com empresa que monitora presos com tornozeleira eletrônica

São Paulo

O governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB) rescindiu nesta quarta-feira, 9, o contrato com a empresa responsável pelo monitoramento até 7 mil presos que usam tornozeleira eletrônica em todo o Estado.

Em nota, a Secretaria da Administração Penitenciária informa que a rescisão ocorreu em função de uma série de falhas que os aparelhos vinham apresentando. Com as tornozeleiras, os detentos cumprem pena em regime semiaberto, para trabalhos externos e saídas temporárias. A decisão foi publicada no Diário Oficial do Estado desta quarta.

A empresa Synergye Tecnologia da Informação presta serviços de monitoramento eletrônico com cobertura em todo o Estado de São Paulo.

Conforme a legislação, a empresa tem um prazo de cinco dias úteis, a contar de hoje, para apresentar recurso, que será analisado pela Consultoria Jurídica da SAP. Caso seja mantida a decisão, a segunda colocada na licitação será imediatamente convidada a assumir o serviço de monitoramento, obedecendo-se os prazos legais.

Procurada pela reportagem, a Synergye não havia se manifestado até a publicação desta matéria. O espaço permanece aberto.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos