Corredor da Avenida Brasil é o mais lento da capital paulista

Bruno Ribeiro e Fabio Leite

São Paulo

O corredor viário formado pelas Avenidas Henrique Schaumann, Brasil e Pedro Álvares Cabral - ligação entre a região do Parque do Ibirapuera e o bairro do Sumaré, na zona oeste - é o ponto com pior índice de velocidade média da cidade nos horários de pico da tarde. Ali, a velocidade média do motorista é de apenas 6,8 km/h. Na outra ponta está a Marginal do Pinheiros, onde mesmo com o trânsito carregado é possível circular a uma velocidade média de 36,5 km/h.

Os dados estão na pesquisa Volumes e Velocidades de 2016, publicada pela Companhia de Engenharia de Tráfego (CET). Os técnicos da companhia fazem, anualmente, um ranking dos corredores que têm melhores e piores velocidades médias para os automóveis.

Há dez vias na capital paulista em que, no pico da tarde, é impossível circular a uma velocidade média maior do que 15 km/h - para se ter ideia, um maratonista profissional costuma correr a uma velocidade média de 20 km/h. Entre elas estão os corredores formados pelas Ruas Clélia e Guaicurus, na zona oeste, onde a média é de 8,3 km/h, e pelas Avenidas Cruzeiro do Sul, Água Fria e Nova Cantareira, onde o percurso fica em uma média de 10,1 km/h.

O estudo da CET divide a cidade em corredores, que costumam ser formados por mais de uma via, ou por sistemas com duas ruas de sentidos contrários, como a Cardeal Arcoverde e a Teodoro Sampaio, em Pinheiros, que funcionam como um mesmo corredor.

No horário da manhã, considerado o tráfego sentido bairro-centro, a via mais complicada é o corredor das Avenidas Zaki Narchi, Santos Dumont e Prestes Maia, ligação entre a zona norte e o centro da cidade, cuja velocidade média no ano passado foi de 13,9 km/h.

'Freio de mão'

A pesquisa da CET também estuda quanto tempo o motorista fica parado em cada via congestionada - com o carro ligado, mas sem se mexer por causa do trânsito. Considerada uma média da cidade toda, um a cada quatro minutos dentro do carro, na parte da manhã, o motorista ficou parado, sem se mexer.

No pico da tarde, o "índice do freio de mão" é ainda pior: em 31% do tempo circulando pelos corredores da cidade, os motoristas ficam parados.

O dado de 2016 aponta uma piora nesse quesito. Na pesquisa publicada no ano passado, com os dados de 2015, a CET havia apontado que o "retardamento" - nome técnico dessa análise - era de 26% no horário de pico da tarde. Pela manhã, o dado ficou estável.

A análise desse dado explica a velocidade média tão baixa no corredor Henrique Schaumann-Brasil-Pedro Álvares Cabral. Ali, em 61% do tempo gasto para cruzar esse percurso no horário de pico da tarde o motorista fica parado, esperando ou o semáforo abrir ou o trânsito à frente começar a andar. O oposto novamente é a Marginal do Pinheiros, no trecho que inclui as Avenidas das Nações Unidas, Magalhães de Castro e Engenheiro Billings: em apenas 1% do tempo gasto para cruzar a via - no sentido Interlagos - o motorista tem velocidade igual a zero.

De manhã, o pior trajeto fica com os moradores da zona sul que tentam chegar ao trabalho no centro. O corredor das Avenidas Senador Teotônio Vilela, Interlagos e Washington Luís tem um porcentual de retardamento de 46% - o que justifica a velocidade média de apenas 14,6 km/h nessa via. Por outro lado, não há atraso para quem pega o trecho da Marginal do Tietê entre as Avenidas Assis Chateaubriand, Otaviano Alves de Lima, e Presidente Castelo Branco. Ali o tempo parado estimado é igual a zero. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos